fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

Na Revista Gerador 43, na crónica Observação de baleias, que agora partilhamos contigo, Pedro Pires fala-nos sobre a procura da paz num contexto de ansiedade contemporânea e complexidades geopolíticas, sublinhando a influência da indústria bélica na volatilidade económica e na perpetuação dos conflitos.

Opinião de Pedro Pires

©Diana Mendes

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

E no que diz respeito à ansiedade e esse tipo de coisa, sim, fui diagnosticado com isso. […] Nossos avós não tinham esses termos para descrever essas coisas, sabes? […] Eles podem ter passado por coisas semelhantes, mas simplesmente tiveram de passar por isso.

É isso que é. A vida é vida e a vida chega até nós de maneiras diferentes, e cabe a cada um prestar atenção ao que está acontecendo.

André 3000 – entrevista de Rodney Carmichael, in https://www.opb.org/

A tendência para me imergir em música ambiente e jazz experimental cresceu nos últimos anos. Sempre gostei, mas atualmente é uma terapia diária, que me permite níveis de concentração elevados, purificar o meu espírito para escrever e criar, uma espécie de água que limpa todas as dobras do cérebro, estimulando-o gentilmente, levando-me para estados e atmosferas férteis, pouco convencionais, enquanto me permite manter uma sensação de asseio emocional.

Não acho que o André 3000 tenha tido a intenção de fazer um álbum que seja uma referência à paz, ou uma crítica direta ao que quer que seja.

Ele justifica «NEW BLUE SUN», com questões de desenvolvimento pessoal, de idade, de independência e exploração criativa. De estado e momento artístico.

A mensagem está no facto de ele o ter feito. Isso cristaliza uma tendência com tempo, espaço e contexto.

Alguém com o alcance global, a fama, o talento, o poder comercial dele, decidir fazer um álbum de jazz ambiental e espiritual, evocando Alice Coltrane, Pharaoh Sanders, Sun Ra entre outros, é uma mensagem poderosíssima. Porque desconstrói a expectativa para a transformar em esperança.

A mensagem é que é sempre possível uma outra visão do mundo, é sempre possível que o poder da criação desequilibre a balança e nos afaste do condicionado, do conformado, do medo.

Sim, é brilhante em termos promocionais, mas isso aqui não é relevante, porque, neste caso, estamos na presença do marketing que resulta da verdade das coisas e não de construções conceptuais e ficcionais. Não foi feito para parecer assim, foi sentido assim.

E é a verdade, num mundo tecnicamente falso, que nos reenquadra com a razão da nossa existência.

Este desejo de paz, esta fuga para uma espécie de interstício da vida, de alienação consciente, de controlo respiratório e emocional, é uma das principais preocupações desta sociedade aparentemente evoluída.

Sempre existiu guerra. O que não existia de forma tão acentuada era esta enorme pressão e angústia existencial no contexto da sociedade ocidental, esta doença mental alargada de que todos sofremos e que o fenómeno da guerra expõe como ferimento mortal.

Seria ótimo pensarmos que, no ilusório ciclo do devir cósmico, o fenómeno da existência de guerra e dos danos que ela provoca nos levaria mais depressa à paz.

A verdade é que parte do mundo sempre viveu assim. África, Ásia, América do Sul, América Central, e todos os subúrbios das cidades do chamado mundo ocidental, esses mundos internos em estado de VUCA permanente desde que nascem até que morrem, e que existem vizinhos aos nossos bairros estáveis. Claro que aqui, embora neste estado de inferioridade económica e social, o caos não transborda permanentemente porque os mecanismos de repressão «suave» e de potencial de esperança existem e ainda são eficazes.

Há quem pense até que agora sim, no exemplo de Israel e da Palestina, é que a solução dos dois estados vai para a frente, porque, depois disto, não pode permanecer a vontade do horror.

Louvo os otimistas, sempre, mas há quem se ria deles.

Este deslocamento para o vácuo, para a irrelevância existencial, para o maniqueísmo político e social é o alimento de quem vende armas.

Como é que é possível que este assunto não seja discutido, perante evidência incontornável que a mãe de todas as indústrias manipula o mundo como quer e quando quer?

Como é possível que essas pessoas e corporações nunca sejam mediatizadas, e que, em vez disso, o espaço mediático fique ocupado com discussões inconsequentes sobre o lado que tem razão, com as manifestações, resoluções e com as guerras culturais?

Porque esse é o terreno mais fértil para quem lucra do conflito – o simulacro de que existe razão no meio da guerra e que existem lados. No meu ponto de vista, o lado é apenas um – é o de quem vende armas. O resto é povo, e o povo não quer guerra.

Há oito anos que os gastos dos estados com a indústria da guerra sobem consecutivamente atingindo em 2022 a quantia de 2,24 biliões de dólares, o que em americano dá trilions.

As guerras e outros períodos de conflito normalmente aumentam a incerteza política, mas a volatilidade das ações dos EUA é 33 % inferior ao habitual em tais tempos. […] A guerra […] torna a rentabilidade futura de um vasto leque de empresas mais previsível e, portanto, menos volátil. […] Estes efeitos não se limitam ao mercado dos EUA: os gastos mais elevados com a defesa dos EUA estão associados a mercados acionistas mundiais menos voláteis – in Volatilidade das ações e o quebra-cabeça da guerra (NBER Working Paper 29837)

Aquilo que aguenta a sociedade ocidental é o sentido de esperança, a idealização de que ser é possível, e ser alguém melhor, uma conquista ao alcance de todos.

O que se verifica é que existe a tendência para que estes ciclos de guerra associados a períodos de grande crise económica sejam cada vez mais curtos.

A necessidade de disfarçar e fingir que todos queremos a paz, por parte dos dirigentes políticos, foi outra vez substituída pela agressiva e aleatória deriva dos «uns contra os outros», ajudada pelo facto de a desinformação ocupar agora o lugar central na operação de controlo de massas, cada vez mais desinteressadas do fenómeno da manipulação, embora possuam atualmente mais informação do que alguma vez possuíram.

Será que quem vende armas acredita mesmo, do ponto de vista da estratégia industrial, que o mundo pode existir em estado permanente de desesperança, e pressionar cada vez mais estes ciclos ao ponto da sua própria extinção? Ou são apenas alguns que puxam a corda durante algum tempo, para que depois outros colegas bélicos mais moderados na questão da vida e da morte, convençam os outros de que é preciso intervalos para que as pessoas possam ir comprar cerveja?

Ainda bem que o André não acredita.

-Sobre o Pedro Pires-

Pedro Pires é escritor-criativo há 28 anos. Fundador da Poets & Painters, publicou em 2022, o livro “Os pés não têm céu” e, em 2024, o livro “Cosmogonia da Identidade”.

Texto de Pedro Pires
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

12 Junho 2024

42: Prólogo

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

7 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0