A associação cultural Pó de Vir a Ser – Departamento de Escultura em Pedra do Centro Cultural de Évora, no âmbito do projecto Oficinas do Possível, apoiado pela República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes, está a realizar uma chamada aberta para residência artística de curta duração, destinada a “artistas de todas as áreas”, para a qual é possível concorrer até dia 15 de Julho.

“A Pó de Vir a Ser – Departamento de Escultura em Pedra é uma associação cultural que tem como missão fazer da escultura uma coisa para todos. O Pó que nos dá nome é o pó de pedra, uma partícula muito pequena que é produto do trabalho do escultor.” É a pedra que edificará as propostas apresentadas, por parte dos artistas que pretendem candidatar-se à bolsa. “Espera-se que as propostas apresentadas considerem criticamente o lugar desta matéria prima na arte e na cultura e que valorizem a utilização criativa e artística da pedra e dos seus resíduos – as “sobras” que resultam da extração e da transformação industrial deste material (desde pequenos blocos informes ao pó de pedra)”, lê-se no comunicado de imprensa.

O/a vencedor(a) receberá o valor 500 euros, acolhimento e alimentação, durante 10 dias, calendarizados de acordo com a disponibilidade deste, tendo o final de Setembro de 2020 como limite. Para além disso, a Pó de Vir a Ser “disponibiliza a utilização do seu espaço oficinal, localizado no antigo Matadouro de Évora, o acompanhamento técnico, logístico e artístico necessário à execução do projecto e outros recursos”. O júri é constituído por dois membros da Associação Pó de Vir a Ser e dois externos, ainda por designar.

Sabe mais aqui.

Texto de Raquel Botelho Rodrigues

Fotografia disponível no site da Associação Pó de Vir a Ser