Está aberta até ao próximo dia 12 de julho a open call Super Emergentes. As bandas vencedoras entrarão diretamente no line up da edição de 2021 do Festival Emergente, que acontecerá nos dias 15 e 16 de outubro no Capitólio.

"Depois do sucesso que foi a primeira edição da open call Super Emergentes em 2020, que contou com 50 inscrições de uma qualidade média tão elevada que se construiu todo o line up da segunda edição do festival tendo por base as bandas a concurso, este ano voltamos a abrir e a desenvolver ainda mais o conceito do concurso, que irá decorrer de 14 de junho a 12 de julho", anunciou a organização do festival, em comunicado.

O Festival Emergente, dedicado à música que se faz em território nacional, pretende apoiar e promover a nova geração de músicos portugueses, abrindo-lhes uma janela de visibilidade e de confiança no futuro. Com foco no indie rock, na pop e na música eletrónica, o certame está também aberto a outras sonoridades como o hip-hop, o jazz e a música experimental e exploratória. 

"Estamos há três anos a apoiar a música emergente portuguesa e, desde o ano passado, esse apoio passou ainda a fazer mais sentido para que esta brilhante geração de músicos, e não só, continue a acreditar no futuro e nos seus sonhos. Temos muito orgulho em poder afirmar que, em 2020, não só não baixámos os braços, como tornámos possível aquilo que parecia impossível, dar um concerto em cima dum palco para uma plateia ao vivo", pode ler-se.

"Para além disso, fomos ainda o primeiro festival português integralmente transmitido em live streaming, reinventando o conceito do evento e inventando o concurso Super Emergentes para dar palco ao maior número possível de bandas emergentes, com condições excelentes", acrescentam.

Em 2021, a iniciativa abre-se ainda a projetos espanhóis, através da divulgação do concurso Super Emergentes também no país vizinho e também a videoclips "também eles de realizadores emergentes, premiando a arte de comunicar a música através da imagem, dando maior visibilidade à complementaridade e cumplicidade artística entre campos criativos e contribuindo para o diálogo e conhecimento mútuo de uma nova geração de músicos e criativos dos dois lados da fronteira que divide a Península Ibérica."

Para além dos prémios já atribuídos o ano passado de “Melhor Concerto Super Emergente” (aberto a projetos portugueses e espanhóis) e “Melhor Projeto Musical Super Emergente” (só para projetos portugueses), com os prémios de uma atuação no Festival Rodellus - Braga, em 2022, e a gravação de um álbum ou EP nos estúdios do Camaleão, em Lisboa, esta terceira edição do Festival Emergente tem ainda dois novos prémios para os videoclips selecionados a partir do concurso Super Emergentes – videoclips, nomeadamente, "Melhor Videoclip" e "Melhor Realização", respetivamente para os projetos musicais e para os realizadores portugueses até aos 35 anos, feitos este ano. Ambos os prémios consistirão num apoio financeiro de 500 euros cada. (Podes consultar os regulamentos aqui)

Assim, ao longo dos dias 15 e 16 de outubro, subirão ao palco do Capitólio 16 bandas, oito delas selecionadas através da open call: duas por votação direta do público (uma portuguesa e outra espanhola), três a selecionar pelo júri (duas portuguesas e uma espanhola) e três a convidar pela organização do festival (duas portuguesas e uma espanhola). As restantes oito, por convite direto da organização, serão bandas e projetos musicais menos emergentes, alguns deles já valores e talentos sólidos, recuperando a ideia de “linhagem geracional” da primeira edição, realizada em 2019, no LAV – Lisboa ao Vivo.

Este ano, o festival voltará a ser realizado fisicamente e em live streaming, na plataforma Live Stage da Ticketline. A receita do live streaming reverterá integralmente para a União Audiovisual.

A organização do festival anunciou ainda que se irá iniciar um conjunto de encontros e conversas sobre cultura e produção musical, sobre a música emergente em Portugal e sobre a estruturação dos percursos artísticos dos jovens músicos, tendo também em vista uma maior cooperação com Espanha.

Texto por Flávia Brito
Fotografias disponível no Facebook do Festival Emergente

Se queres ler mais entrevistas sobre a cultura em Portugal clica aqui.