Há uma nova orquestra em Portugal que vai para além da música clássica. A Real Câmara quer recuperar o legado orquestral do barroco português, tocando-o sob a direção artística do maestro e violinista italiano Enrico Onofri.

No início de agosto, a sala D.Luís do Palácio da Ajuda recebeu um concerto de apresentação da nova orquestra Real Câmara. Constituída por 16 músicos e com direção artística do maestro e violinista italiano Enrico Onofri, a Real Câmara foi buscar o nome à vida musical portuguesa que, no reinado de João V, estava muito centralizada na Corte e, por sua vez, em Lisboa. O projeto surgiu pela vontade de trazer a música do final do séc. XVII e XVIII - cruzando-a com a música italiana-, para as salas de espetáculo portuguesas. Segundo Diana Vinagre, uma das co-fundadoras do projeto, “a vontade de trabalhar com Enrico Onofri”, que soma décadas de interpretação e investigação na área da interpretação histórica informada, e “recuperar o reportório português do reportório barroco”, foi a semente para fazer nascer a Orquestra: “queremos ter uma plataforma de excelência”, acrescenta.

Questionada sobre o que diferencia a Orquestra Real Câmara das outras orquestras , Diana explica que, para além de todos serem especializados em música antiga, “o que normalmente se chama à interpretação historicamente formada”, todo o reportório querer um processo “interpretativo paralelo ao processo mais vulgar a que assistimos na música dita erudita, pressupondo ainda um conhecimento histórico do contexto em que a musica foi escrita, seja através de instrumentos, na forma em que estavam na altura, seja pela pesquisa, através de fontes primárias, de documentos que nos permitam ler melhor a partitura, porque quanto mais para trás vamos, menos detalhada é a partitura. Os músicos tinham uma série de acordes tácitos e muita coisa e não estava na partitura, só conseguimos descobrir essas coisas através de outras fontes”, explica a cofundadora ao Gerador.

 “Dal Tevere al Tago” (“Do Tibre ao Tejo”): música ao gosto italiano para a Orquestra da Real Câmara no tempo de D. João V, foi o programa escolhido pela orquestra para se apresentar ao público. O programa foi constituído por peças de compositores italianos e portugueses do reinado de João V, algumas em estreia moderna, como “Ogni fronda chè mossa dal vento”, da serenata “Il vaticinio di Pallade, e di Mercurio”, de Francisco António de Almeida (1703-1754), que foi um dos bolseiros portugueses em Itália, nessa época, e que foi apresentada no Palácio Real da Ribeira, em 1731, culminando "com louvores ao rei magnânimo”. Rinaldo di Capua (1705-1780) “Nacqui agli affani in seno”, ária do 'dramma per musica' “Catone in Utica”, “Tutti nemeci e rei, tutti tremar dovete”, de “Adriano in Siria”, e ainda, de Giovanni Bononcini (1670-1747), “Mio sposo t’ arresta”, ária de “Farnace”, foram outras das estreias modernas apresentadas pela Orquestra da Real Câmara.

Texto por Patrícia Nogueira
Fotografia disponível via Unsplash

Se queres ler mais notícias clica aqui.