Durante o mês de junho, o Festival PARApeito leva pequenas apresentações artísticas às pessoas mais afetadas, em situação de isolamento físico e social neste contexto de pandemia. O festival é para ser visto à janela e conta com acrobacia, teatro, malabarismo, música, e muita arte.

Um parapeito é "uma parte superior de uma trincheira que protege os seus defensores mas que não os impede de atirar sobre ela; parede que se ergue na altura do peito", e, também, um festival. O Lugar Específico apresenta assim, até 25 de junho, a segunda edição do Festival PARApeito, com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, destinado a levar pequenas apresentações artísticas às pessoas mais afetadas neste contexto de pandemia.
O festival, que pretende levar um mimo ao peito, bem como arte e cultura aos que estão mais sós e, em simultâneo, apoiar o trabalho de artistas de diferentes áreas, desde acrobacia a teatro, malabarismo e música, surgiu em 2020, em pleno confinamento, quando, fechados em casa, "nos sentíamos de peito apertado pela distância, pela ausência, pela incerteza, pelo receio". Em 2020, o festival foi apresentado em lares, hospitais e em outros contextos de fragilidade e isolamento, este ano as performances estendem-se à rua para serem vistas do alto de cada parapeito - da janela de cada um.

Nesta segunda edição os locais que receberão o festival serão, o Centro Social da Sé de Lisboa e Centro Social Polivalente de São Cristóvão e São Lourenço, Hospital Santa Maria, Hospital Pulido Valente, Casa Acreditar, Centro Hospitalar Psiquiátrico Júlio de Matos, Fundação António Luís Oliveira, Centro de Apoio à Comunidade do Instituto de Apoio à Criança, e cinco escolas de ensino básico do Agrupamento de Escolas Nuno Gonçalves.

O Lugar Específico é um espaço dedicado à mediação cultural, cujos projetos propõem promover o desenvolvimento sociocultural da zona em que estão inseridos e da comunidade local, através de atividades, criações e encontros de ordem artística, educativa, cultural ou comunitária que promovam o encontro e a interação entre as pessoas e a arte contemporânea.

Texto por Patrícia Nogueira
Fotografia via Unsplash
O Gerador é parceiro do Festival PARApeito

Se queres ler mais entrevistas sobre a cultura em Portugal, clica aqui.