fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Opinião de Shahd Wadi

Paz

Nas Gargantas Soltas de hoje, Shahd Wadi procura entender a “Paz” palestiniana.
“E o que as mulheres têm a ver com esta palavra? A Paz habitou apenas nas mãos de homens durante um aperto que dividiu a Palestina em ilhas: “ilha A” quase ocupada, “ilha B” ocupada, “ilha C” completamente ocupada, mas continuam a chamá-la Palestina, ilha prisão, ilha checkpoint, ilha muro, ilha colonato, ilha apartheid, ilha sem respiração, ilha inferno: Gaza.”

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Procuro a palavra algures no mapa, mas a minha língua no seu estado materno falha em capturar as suas letras.

Escorrega das minhas mãos e das do mundo como se fosse um sabão de azeite de Nablus.

Paz. o “P” não existe na minha língua pátria, agora nem sequer a cabeça que ontem foi decapitada em Rafah. 

Paz. Procuro de novo soletrar este termo, não me interessa o maiúsculo, mas a minha terra palestiniana nem sequer existe em minúsculo. 

E o que as mulheres têm a ver com esta palavra? A Paz habitou apenas nas mãos de homens durante um aperto que dividiu a Palestina em ilhas: “ilha A” quase ocupada, “ilha B” ocupada, “ilha C” completamente ocupada, mas continuam a chama-lá Palestina, ilha prisão, ilha checkpoint, ilha muro, ilha colonato, ilha apartheid, ilha sem respiração, ilha inferno: Gaza.

Nesta ilha-morte desvive cerca de 63 mulheres por dia, estas sim ficam em paz. 

Morreu uma enquanto estava eu aqui a aclarar a voz para fazer cálculos. Não contei aquelas que ficaram debaixo dos escombros, desaparecidas em matemática. E não sei fazer as contas dos seus órgãos roubados pelo exército israelita, alguns estavam danificados não foram aproveitados nem sequer para dar vida ao seu ocupante. Deveria somar também os cadáveres daquelas que foram comidas pelos animais, mas estas serviram. Os animais foram postos nos pratos dos filhos delas para não morrerem à fome.

Paz?

Procuro colar a paz à esperança, mas a minha cola é agora cinza.

O outro dia vi uma mulher palestiniana a procurar a paz comigo, mas fugiu-lhe porta fora ao ser expulsa da sua casa em Hawara, em Naqab, no Vale Jordão, em Msafer Yatta e sobretudo quando queimaram a sua décima tenda em Gaza. Mais um caminho. Terá a minha avó também procurado a paz depois de catástrofe Nakba em 1948? Ou terá morrido dizendo: exilio eterno. Sem-paz perpétua.

Ouvi dizer que enquanto uma palestiniana estava a apanhar o que restava de paz neste mundo, foi aprisionada. O corpo dela ficou demasiado nu, as mãos que o ocuparam sacudiram o pouco paz que tinha, mesmo assim, ela disse que não precisa de salvação, mas de viver livre em paz.

A minha irmã, que nunca me fui permitido conhecer, procurou a paz no que restava de Gaza, mas só encontrou um pano de tenda que utilizou como penso higiénico, e ao lado dele estava lá o mar ainda, mas sem o azul.

Na alma dela, já não cabiam as palavras sobre a liberdade, paz e justiça, acolheu no lugar delas uma selvajaria colonial única e sem precedentes. O seu ser palestiniano sussurrou diretamente ao ouvido de cada uma de nós:  o vosso planeta já não é um lugar seguro. 

Desde antes de nascer que vejo a mesma palavra, mas só agora ganhou forma: genocídio. Forma que afoga a paz no meu corpo, no teu corpo e em qualquer possibilidade humana. Um espelho, cada dia mais limpo, refletindo a imundice do mundo inteiro.

Mesmo assim, uma mulher palestiniana foi ainda capaz de ensinar a vida procurando a paz ao citar um poema: “Escreverei uma frase mais preciosa do que os mártires e os beijos: Palestiniana, era. E ainda é.” Palestiniana sou e sempre serei. Aprisionada, barrada num checkpoint, cercada por um muro de separação, dissolvida num sistema de apartheid, opressão e ocupação. Sob os bombardeamentos numa tenda em chamas, deu à luz sem analgésicos a sua filha, antes de morrer entregou-lhe a arma, o canto o destino e o nome: Salam, Paz. Um dia esta filha crescerá.

- Sobre Shahd Wadi -

Shahd Wadi é Palestiniana, entre outras possibilidades, mas a liberdade é sobretudo palestiniana. Tenta exercer a sua liberdade também no que faz, viajando entre investigação, tradução, escrita, curadoria e consultorias artísticas. Procurou as suas resistências ao escrever a sua dissertação de Doutoramento em Estudos Feministas pela Universidade de Coimbra que serviu de base ao livro “Corpos na trouxa: histórias-artísticas-de-vida de mulheres palestinianas no exílio” (2017). Foi então seleccionada para a plataforma Best Young Researchers. Obteve o grau de mestre na mesma área pela mesma universidade com uma tese intitulada “Feminismos de corpos ocupados: as mulheres palestinianas entre duas resistências” (2010).  Para os respectivos graus académicos, ambas as teses foram as primeiras no país na área dos Estudos Feministas. Na sua investigação aborda as narrativas artísticas no contexto da ocupação israelita da Palestina e considera as artes um testemunho de vidas. Também da sua. 

Texto de Shahd Wadi
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Julho 2024

Tranças de resistência

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

22 Julho 2024

Incertezas e ambiguidades: a nuvem cinzenta dos crimes de incitamento ao ódio

19 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

17 Julho 2024

42: Caixas e cartas

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

16 Julho 2024

Assassinato de carácter: o (pré)juízo de Cláudia Simões

12 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0