A Associação Portuguesa de Escritores (APE) lançou, no passado dia 3 de julho, em Braga, a primeira edição do Prémio Vida Literária Vítor Aguiar e Silva.

O reconhecimento, que será atribuído de dois em dois anos, terá o valor de 25 mil euros e pretende “distinguir poetas, ficcionistas e ensaístas de topo, de consagração plena, no quadro da cultura portuguesa”, referiu o presidente da APE em conferência de imprensa.

José Manuel Mendes, explicou que o objetivo do galardão é “recolocar” o Prémio Vida Literária “num lugar mais forte e marcante”, atribuindo-lhe o nome de Vítor Aguiar e Silva, vencedor da edição 2020 do Prémio Camões.

O responsável explicou que o prémio não envolve candidaturas, sendo o vencedor eleito por um júri dentre “um conjunto sedimentado de nomes” que estão a ser analisados.  “O vencedor desta primeira edição será conhecido dentro de pouco tempo”, afirmou sem avançar data concreta para o anúncio.

O Prémio Vida Literária – que antes se designava apenas desta forma - já foi atribuído a nomes como Miguel Torga, José Saramago, Eugénio de Andrade e Manuel Alegre, entre outros. O valor monetário atribuído é financiado pela Câmara Municipal de Braga.

Professor e ensaísta, com 82 anos, Vítor Manuel de Aguiar e Silva foi o vencedor do Prémio Camões 2020. O seu nome foi distinguido como forma de reconhecimento da "importância transversal da sua obra ensaística" e do seu "papel ativo relativamente às questões da política da língua portuguesa e ao cânone das literaturas de língua portuguesa".

Vítor Manuel de Aguiar e Silva nasceu em Penalva do Castelo, no distrito de Viseu, em 1939, e obteve todos os seus graus e títulos académicos na Universidade de Coimbra, onde foi professor catedrático da Faculdade de Letras até 1989.

Nesse ano, pediu transferência para a Universidade do Minho, onde foi professor catedrático do Instituto de Letras e Ciências Humanas. Ali fundou e dirigiu o Centro de Estudos Humanísticos e a revista Diacrítica. Entre junho de 1990 a julho de 2002 desempenhou funções como vice-reitor. Aposentou-se após a cessação destas funções.

Texto por Sofia Craveiro com Lusa
Fotografia via Unsplash
Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal clica aqui.