O presidente da Fundação Bienal de Artes de Cerveira (FBAC) disse hoje que a atribuição do Prémio Museu do Ano ao museu da bienal, vem “reconhecer 40 anos de trabalho em prol da cultura em Portugal”.

Em declarações à agência Lusa, a propósito da distinção atribuída pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM), Fernando Nogueira acrescentou que aquele prémio “tem um peso maior e provoca satisfação acrescida” pelo facto de, em Vila Nova de Cerveira, se “fazer muito, em prol das artes e da cultura, com muito pouco”.

“É uma enorme satisfação sermos reconhecidos por entidades com esta relevância. Dá-nos força e estímulo para continuarmos a trabalhar mais e melhor nesta área”, sublinhou.

O presidente da FBAC, que é também presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira, no distrito de Viana do Castelo, realçou ainda o trabalho da “pequena equipa” da fundação, que “torna possível” o reconhecimento hoje atribuído pela APOM e, “aos patrocinadores, sem os quais a Bienal não teria chegado onde chegou”.

O museu da bienal tem um espólio composto por mais de 600 peças.

A Bienal Internacional de Arte de Cerveira, dedicado à arte contemporânea, é a mais antiga da Península Ibérica, e realiza-se desde 1978.

A 20.ª edição, em 2018, decorreu de 15 de julho a 16 de setembro e recebeu cem mil visitantes. Apresentou mais de 600 obras, de 500 artistas de 35 países em 8.300 metros quadrados, num total de 14 espaços expositivos.

Texto de Lusa
Fotografia de Deanna J disponível via Unsplash

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.