fbpx
Sábado, 6 Junho 2020

Projeto #garanteolugar pretende comprar os lugares desativados das salas de espetáculo

Lançado durante esta primeira semana de junho, o projeto #garanteolugar pretende colocar em parceria salas de espetáculo e marcas/empresas de forma a garantir uma “programação cultural regular” e a “manutenção dos níveis de rendimento para a comunidade artística”.

A iniciativa de Raquel Pinhão e Teresa Pinheiro ganha forma com a criação de contratos de apoio, através dos quais é acordada a compra, por parte das marcas/empresas, dos lugares que ficam vazios, fruto das restrições impostas pelas autoridades de saúde nacionais. O objetivo é, sobretudo, consciencializar e apelar às marcas pela responsabilidade social no apoio ao setor cultural, enquanto as casas poderão garantir as lotações esgotadas, que, consequentemente, vão permitir condições financeiras para a manutenção da programação.

A minimização dos impactos financeiros, garantida pela recuperação da bilheteira, que à partida não poderia atingir a lotação máxima, prevê-se “essencial para a manutenção e renovação de contratos assumidos com artistas e agentes culturais e que, como tal, representará um contributo para a continuidade dos seus rendimentos e para a criação de oportunidades num sector severamente fustigado pela crise pandémica”, lê-se em comunicado.

Assim, em termos de proposta, esta visa assegurar, mais do que viabilidade na reabertura de portas destes espaços culturais, benefícios para as quatro partes que, direta ou indiretamente, estarão envolvidas. A organização do #garanteolugar crê que a compra dos lugares desativados de cada espetáculo resulte na viabilidade financeira das salas de forma a que estas possam continuar a garantir programação. Consecutivamente, estas casas poderão assegurar a manutenção e rendimentos dos vários agentes culturais envolvidos. Esta manutenção de oferta variada e consistente resultará assim numa “oportunidade de retorno de reconhecimento e valorização de marca enquanto impulsionador da oferta cultural com uma atuação real e impactante na sociedade”.

Entre as contrapartidas para as salas de espetáculo estão a “venda antecipada dos lugares não ocupados da sala” e  a “comunicação, através dos canais de divulgação da marca e da plataforma #garanteolugar, da programação da sala cujos lugares não ocupados foram comprados”. Mas também as marcas terão benefícios associados ao seu investimento, tais como a “utilização futura de parte do número de bilhetes comprados para oferta em ações de promoção, incentivo de vendas, convites” e a “possibilidade de colocação de materiais de visibilidade na sala”, bem como “ações de ativação nos foyer e outros locais da sala”.

O papel do #garanteolugar será de mediador entre espaços e empresas, desde a fase de acordo até à implementação. Nesta primeira fase, o projeto pretende “garantir a viabilidade das salas na sua programação de segundo semestre de 2020, podendo no entanto a ação ser prolongada”, admite a organização.

Esperam com esta iniciativa não só alavancar a atual situação crítica da cultura e dos espaços culturais, como garantir desde já novas pontes de parcerias, através desta aproximação de marcas e apoios privados, e ainda, para as marcas garantir a “possibilidade de potenciar o engagement com o público numa ação que trabalha a construção de valor para a marca”.

Texto de Bárbara Dixe Ramos
Cartaz de #garanteolugar

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.

MAIS ARTIGOS DE Notícias, DESTAQUE

Entrevistas 18.Abr.2021

Gabi Abreu: “Nós, mulheres, não estamos nos lugares”

como é ser a única mulherno meio do covil? eu sei como ée quando griteininguém me ouviu. eles te olham te julgamte limitama isso ou aquilote ironizamte ignoram. belos lobosque…

Destaque Últimas 17.Abr.2021

Festival "Que Jazz É Este?" já tem primeiras confirmações

O Festival de Jazz de Viseu, anunciou os primeiros nomes do "Que Jazz É Este?", um festival que acontece em vários espaços da cidade de 21 a 25 de julho.…

Agenda 17.Abr.2021

Teatro GRIOT luta contra a amnésia da memória colonial

Em abril, a Culturgest, em parceria com o Teatro GRIOT, recorda e faz uma reflexão sobre o colonialismo português em São Tomé e Príncipe com um programa de teatro, uma…

Mais 17.Abr.2021

Preliminares: Feliz 21

*Esta é uma crónica da Marta Crawford, inicialmente publicada na Revista Gerador de fevereiro de 2021. A festa de Babette é um filme passado em 1871 numa aldeia dinamarquesa muito puritana. Fugida…

Gargantas soltas 17.Abr.2021

Consumista Consciente

No início da semana, estive à conversa, durante umas horas, sobre o consumismo da sociedade e como as grandes empresas nos empurram para o consumo descontrolado e as nossas próprias…

Entrevistas 17.Abr.2021

Domenico Lancellotti lança novo álbum — “Raio”: melodias da natureza

Em tempos tão movimentados e agitados, o artista carioca, Domenico Lancellotti, vem propor uma terapia de reconstrução interior, de renascimento e conexão com a natureza, a vida do planeta e…

{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}
X
X
Partilhar
Copy link
Powered by Social Snap