fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Qual é a diferença entre um imigrante e um expat?

Nas Gargantas Soltas de hoje, Mafalda Fernandes retrata a diferença entre o imigrante e o expat.

Opinião de Mafalda Fernandes

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Estou ciente da manipulação que está e continuará a ser feita pela extrema direita. É uma manipulação fraca, mas poderosa quando presente na frente do desespero de alguns. É também previsível. E até o horóscopo diria que os grupos minoritários e, por consequência os mais vulneráveis da sociedade, serão sempre os bodes expiatórios dos propagadores do ódio social.

"CHEGA DE IMIGRANTES, eles têm que voltar para a terra deles", apesar de serem eles quem sustenta este país. É a lógica da batata a funcionar na sua plenitude. Antes de sermos engolidos por estas manipulações, gostaria de dizer que está na altura de compreendermos a diferença entre imigrantes e expats.

O imigrante chega, e tem que bater à porta com muito cuidado, e ainda sem olhar o dono da casa nos olhos deve questionar se pode entrar. O expat chega, entra pela casa adentro (até porque a porta está bem escancarada), vai buscar uma cerveja ao frigorífico e senta-se no sofá. Ainda não tivemos tempo de dizer “por favor entrem,  sintam-se em casa…” que eles já são donos da casa.

Quem suporta este país, não são os expats, são os imigrantes. Quem te leva a comida quentinha no inverno é o imigrante. Quem te limpa a casa após uma festa é o imigrante. Quem cuida das crianças quando tens muito trabalho é o imigrante. Quem constrói o novo restaurante da moda é o imigrante e quem serve a comida nesse mesmo restaurante é o imigrante. Volto a repetir: quem sustenta este país é o imigrante.

O expat compra a mansão que daria para alojar muitas famílias sem teto. O expat paga a conta astronómica do restaurante com o salário de origem do seu país e feliz da vida diz que é barato. O expat modifica a arquitetura, as ruas e o comércio da tua cidade. E ainda se integra num grupo de expats porque como não fala o português, não consegue acomodar-se na nossa cultura. O expat diz que como tem dinheiro é seu direito fazer disto a sua casa. E para mim, sinceramente, está tudo bem.

É ok que os ricos continuem a querer suportar os ricos. O que não é nada ok para mim, é a incapacidade dos mais vulneráveis se unirem e se insurgirem contra esta burguesia que infectou o meu Porto, tornando-o num asilo caviar para seres humanos que estão perdidos na vida e decidiram que vir viver para Portugal até seria uma aventura gira e engraçada ou devo dizer "exótica".

Esta é a parte em que vocês pensam: estás a ser xenófoba. Estou, será que estou? Porque que eu saiba a xenofobia encontra-se também presente naquilo que são as estruturas de poder. E a xenofobia que eu vejo está muito bem saliente nesta diferenciação de tratamentos entre imigrantes e expats. Para além de que, o meu problema não é com expats, o meu problema é contra a nossa falta de união e apoio aos imigrantes. Quem diz imigrantes, diz também todos os grupos vulneráveis nesta sociedade.

Não tenho nada contra outros povos, mas tenho tudo contra a desigualdade que se respira neste país. A burguesia sempre desfilou pelas ruas portuguesas, mas esta burguesia tem vindo a aumentar em número, criando mais desigualdade, e determina este processo dizendo que tudo isto é fruto da globalização.

Globalização? Mas qual globalização? A presença de diferentes culturas nos países ocidentais não é globalização, mas sim uma consequência da colonização. O restaurante indiano que tu tanto adoras não está presente em Portugal para satisfazer as tuas curiosidades. A música brasileira e as festas brasileiras para as quais vais abanar a "raba" não foram criadas para que tu te possas sentir sexy. As línguas nativas africanas não são um ornamento que tu usas para diferenciar-te do teu grupo de amigos semelhantes a ti.

Esta lista seria infinita. O mundo não gira ao nosso redor, e há muita coisa boa que podemos retirar desta mistura de culturas, desta Lisboa "criola". Também há muitas reflexões que temos que fazer face a esta "globalização". Porque eu, mulher preta portuguesa, sempre fui para ser preta, mas nem sempre fui para ser portuguesa. E eu não estou aqui para agradar, entreter ou validar um Portugal extremamente desigual. Eu estou aqui para fazer de Portugal um país melhor do que aquilo que alguma vez foi. E este objetivo não será cumprido enquanto,  passivamente, chamarmos a estas novas formas de colonização de globalização.

A maior diferença do ontem para o hoje, é a zona geográfica. Ontem explorávamos os países do sul e as suas pessoas. Hoje exploramos as suas pessoas nos países do norte.

Compreender as estruturas de poder assentes na sociedade em que vivemos é o que nos permite observar a vida social com clareza. E para mim está tudo tão claro que se tornou escuro.

-Sobre Mafalda Fernandes-

Nascida e criada no Porto, filha de pais brancos e irmã de mulheres negras. Formada em Psicologia Social, o estudo e pensamento sobre problemas sociais relacionados ao racismo, são a sua maior paixão. Criou o @quotidianodeumanegra, página de Instagram onde expressa as suas inquietudes. Usa o ecoturismo como forma de criar consciência anti-racista na sociedade. Fã de Legos, livros e amizades, vive pela honestidade e pelo conhecimento. 

Texto de Mafalda Fernandes
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

18 Junho 2024

Tirar a cabeça da areia

18 Junho 2024

O argumento romântico para a participação política

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

4 Junho 2024

Paz

30 Maio 2024

Sem ensaios de ciência: Viagem decisiva – entre ciência e humanidade

30 Maio 2024

Contra os capo regimes em ciência

28 Maio 2024

Discurso de ódio e liberdade de expressão: os pactos inconscientes

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0