fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Quebrem a inação para libertar a imaginação!

Nas Vozes Coletivas de hoje, Arte, ativista da Greve Climática Estudantil Lisboa, desafia a falta de imaginação coletiva.

Opinião de Greve Climática Estudantil Lisboa

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A normalização da crise climática resultou neste contexto onde qualquer medida que procure concretamente resolvê-la pareça inimaginável. Para muitas pessoas, é mais fácil imaginar o fim do mundo do que um mundo melhor. As ocupações pelo fim aos fósseis acontecem porque nós não nos podemos dar ao luxo de aceitar esta normalidade e falta de imaginação.

Uma das minhas escritoras favoritas, Ursula K. Le Guin , uma vez escreveu: “Todos nós temos de aprender a inventar as nossas vidas, criá-las, imaginá-las. Precisamos de aprender estas habilidades; precisamos de guias para nos mostrar como. Se não o fizermos, as nossas vidas serão inventadas por outras pessoas." Os guias, para ela, são histórias. Com outras histórias, podemos imaginar outras possibilidades. Vivemos rodeadas de historias -  independentemente da sua veracidade -  crescemos com estes modelos da realidade, e desenvolvemos uma narrativa do nosso relacionamento com ela. Com o passar do tempo, as histórias mudam - algumas reaparecem, outras persistem, e algumas caem no esquecimento face a novas formas de pensar moldadas por novas experiências.

Neste momento, muitas das narrativas da nossa sociedade apontam na direção de um beco sem saída. Enquanto caminhamos por estas ruas estamos a ser esfaqueadas com precariedade, ao mesmo tempo que roubam o nosso futuro. Temos que bater o pé e deixar de aceitar isto como normal: a nossa sociedade está a ser mortas as prestações, cada conta da eletricidade, cada renda, cada estudante que se vê forçada a desistir da faculdade porque não tem dinheiro para pagar propinas são mais um prego no caixão.

A realidade de crises e a falta de uma narrativa que nos aproxima de um futuro melhor estão a levar-nos a um beco sem saída. É urgente criar novas situações e experiências que nos permitam re- imaginar o que é possível. Ao interromper a normalidade, as ocupações pelo fim aos fósseis estão a ser uma oportunidade para expandir a nossa imaginação coletiva. Note-se que até aparentemente irrelevantes detalhes logísticos tornaram-se, para nós e para quem nos vê,  num abre olhos para o que é possível construir em conjunto no futuro. Tentem imaginar por um momento: 3 estudantes à volta de um panelão de 50 litros, a cozinhar no meio de um pavilhão da faculdade de ciências da Universidade de Lisboa. De repente, entram três intimidantes polícias. Neste ambiente de tensão, uma das estudantes levanta uma taça e pergunta ao agente mais próximo: "queres sopa?". A este momento caricato adiciona-se um dos seguranças,  que ao entregar o seu prato comenta com os policias: "olhem que está muito boa!”. Visivelmente confuso  sobre como abordar a situação, o senhor agente recusa a sopa. Face a uma “cambada” de estudantes que consegue montar uma cantina num contexto de alto stress e falta de recursos, a ideia de que é normal - e razoável!- uma faculdade não ter cantina começa a ruir; e assim neste processo surge a possibilidade para coletivamente re-imaginar o espaço a ser ocupado, bem como o seu papel nas nossas vidas. 

Quando me dizem que um mundo melhor não é possível e que não é possível acabar com este sistema injusto que permite lucros criminosos enquanto o planeta arde e as pessoas não conseguem pagar as contas, só tenho a dizer: não com essa atitude. Quem não luta já perdeu, se a nossa casa esta a arder não podemos ficar sentados no sofá a suspirar, temos que nos levantar. Para imaginar algo - não como um ideal abstrato, mas como uma possibilidade real - precisamos primeiro de nos envolvermos ativamente na tarefa. É fazendo coisas que descobrimos que elas podem ser feitas.

-Sobre Greve Climática Estudantil Lisboa-

A Greve Climática Estudantil Lisboa é um coletivo de estudantes que
luta por justiça climática

Texto de Arte
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

18 Junho 2024

Tirar a cabeça da areia

18 Junho 2024

O argumento romântico para a participação política

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

4 Junho 2024

Paz

30 Maio 2024

Sem ensaios de ciência: Viagem decisiva – entre ciência e humanidade

30 Maio 2024

Contra os capo regimes em ciência

28 Maio 2024

Discurso de ódio e liberdade de expressão: os pactos inconscientes

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0