fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Quem é o homem negro? E onde está a sua voz?

Nas Gargantas Soltas de hoje, Mafalda Fernandes reflete sobre a posição do homem na sociedade.

Opinião de Mafalda Fernandes

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O homem negro é visto aos olhos da sociedade como um monstro, como alguém que não tem direito a ser amado, ou a amar. É colocado por diversas vezes na mesma "caixinha" que o homem branco cis heteronormativo, como sendo apenas e só opressor. Esquece-se a violência policial, os insultos ao imitarem macacos e ao atirarem de bananas. Esquece-se a dificuldade no acesso ao emprego, à habitação e até mesmo à saúde. Multiplica-se a sua hipersexualização, como se o "algo a mais", lhe concedesse dignidade humana. 

Ficamos presos à ideia, do que é um homem, centralizando a imagem mental criada do homem branco. Vamos compreendendo que este homem branco, poderá ter diferentes orientações sexuais, e por isso procuramos integrar as mesmas com muita dificuldade, no nosso pensamento e por certo na sociedade. Mas e então e o homem negro?Não é cuidador porque é pai ausente, é agressivo e principalmente representa um perigo. Poderíamos desconstruir todos estes estereótipos, mas eu prefiro começar esta conversa num ponto inicial, em que o homem negro é humano e tem dignidade. 

Devido a todo o machismo perpetuado em primeira instância pelo o homem branco, agora temos o homem negro sozinho, desamparado e sem liberdade de se expressar. Temos um homem negro que com muita dificuldade se assumirá como homossexual se assim o for. Temos um homem negro que ficou sem voz e que num canto isolado, aplaude as tentativas constantes da mulher negra em usar a sua voz. Não é suficiente. 

Nós mulheres negras, temos de parar de exigir do homem negro aquilo que a mulher branca exige ao homem branco. Nós mulheres negras temos que nos lembrar que as exigências devem ser feitas com base no amor, no carinho e no afeto. Ser mulher negra e lésbica é difícil, vamos fazer o esforço de imaginar a dificuldade de se ser homem negro e homossexual. 

Nós, comunidade negra, temos de parar de excluir determinadas orientações sexuais do homem negro. Nós, comunidade negra, temos um longo caminho a percorrer, no que toca a acolher os nossos. São muitas sobreposições de identidades numa pessoa só. Digo que são muitas porque todas elas são um peso e um orgulho. É nosso papel como comunidade, aliviar este peso e apelar ao orgulho. 

Existem diversos artigos científicos e não-científicos que centralizam a mulher negra e a sua experiência. Artigos que falam da sua solidão, da sua vivência como mulher, da sua orientação sexual. Mas e então e o homem negro?

Normalizem o afeto entre dois homens negros, normalizem a capacidade de amar e de ser amado. Porque a solidão da mulher negra poderá dar-se pela escolha do homem negro ficar com a mulher branca, mas isso não explica tudo, pois o homem negro também está sozinho. A solidão do homem negro existe. Nós é que no meio de tanto sofrimento próprio e alheio nos esquecemos que o homem negro também sofre com o racismo. E nesse esquecimento ficou também perdida a voz do mesmo. 

Eu quero iluminar as vidas de homens negros trans, de homens negros gays, de homens negros. Quero, acima de tudo, relembrar as suas existências, as suas vozes, e as suas lutas. Quero relembrar que o homem negro é o espelho da mulher negra numa sociedade que é ditada pelo racismo que ambos vivenciam.

Por vezes questiono se não serão os homens negros quem mais precisam de ser salvos. Salvos desta sociedade doentia que não deixou outra alternativa ao homem negro que senão aceitar, cumprir dever, concordar, apenas e só estar, mas nunca existir. E quem nunca existe, todo o mal reproduz. 

-Sobre Mafalda Fernandes-

Nascida e criada no Porto, filha de pais brancos e irmã de mulheres negras. Formada em Psicologia Social, o estudo e pensamento sobre problemas sociais relacionados ao racismo, são a sua maior paixão. Criou o @quotidianodeumanegra, página de Instagram onde expressa as suas inquietudes. Usa o ecoturismo como forma de criar consciência anti-racista na sociedade. Fã de Legos, livros e amizades, vive pela honestidade e pelo conhecimento. 

Texto de Mafalda Fernandes
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

20 Junho 2024

Carta do Leitor: André, cala-te só um bocadinho…

18 Junho 2024

Tirar a cabeça da areia

18 Junho 2024

Carta do Leitor: O argumento romântico para a participação política

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

4 Junho 2024

Paz

30 Maio 2024

Sem ensaios de ciência: Viagem decisiva – entre ciência e humanidade

30 Maio 2024

Contra os capo regimes em ciência

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [para entidades]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0