fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Queques, gunas e azeiteiros

Nas Gargantas Soltas de hoje, João Teixeira Lopes fala-nos sobre as classificações dos grupos sociais.

Opinião de João Teixeira Lopes

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Todas as sociedades contam estórias a si mesmas. Através delas cria-se uma teia de sentido partilhado e um conjunto de imagens ou representações que circulam de modo generalizado. Os epítetos com que mutuamente nos brindamos são disso um extraordinário exemplo. Apesar de algumas variações contextuais, todos sabemos o que é um queque ou beto. Uma vez, ao estudar culturas estudantis nos liceus do Porto, deparei-me com um grafito num estabelecimento de ensino conhecido pela especial visibilidade dos jovens endinheirados e de “boas” famílias:

“AQUI PÁRA A BETOLÂNDIA”

E parava. Aquela inscrição era como uma demarcação espacial e simbólica, uma espécie de fronteira vedada aos queques da Foz. Para a atravessar (isto é, para a transgredir, para passar de um meio social a outro) exigia-se uma metamorfose identitária, com tradução na indumentária, nas formas de apresentação de si, na linguagem, nas posturas e estilos. Era uma nova região, habitada pelas curtes dos gunas e dos azeiteiros. Azeiteiro é uma categoria ambígua, pois nela cabem os membros das classes populares com comportamentos ostentatórios considerados de mau gosto pelos queques, mas também os novos-ricos que traem o seu défice de linhagem em qualquer pormenor mal-alinhavado. Os gunas geralmente estão-se nas tintas e desprezam as boas maneiras dos demais. Cultivam o que consideram autêntico e popular. Quem não falava “à Porto”, por exemplo, com tudo o que isso significa numa vasta constelação semântica, quem não mostrava a peitaça e os músculos a jogar futebol, era um amaneirado de continente estranho. 

As sociedades são arenas de luta, em que os conflitos sociais operam pelo enfrentamento de narrativas, imagens e rótulos. Existir (socialmente) é classificar (socialmente), como tão bem mostrou o sociólogo Pierre Bourdieu.

Às vezes, pela boca morre o peixe, vicissitude que o Primeiro-Ministro conhece bem: ao classificar os deputados da IL como “queques” pisou a casca de banana da contradição performativa (“Tá a ver?”). Disse uma coisa, mas autodenunciando-se, mostrou o lugar onde agora habita ou deseja habitar. Talvez o PS viva envergonhado nesse trânsito entre o guna e o beto, entre a pertença e a referência, algures perdido na memória da esquerda e no deslumbramento pró-business. 

Os queques de linhagem, contudo, não se costumam enganar. Não hesitam. É no entre-si (nos colégios privados, nos condomínios fechados, nas liturgias sociais, como algumas missas, festas mundanas, clubes exclusivos ou bailes de debute, ou na cooptação que engorda certos partidos e grandes empresas) que encontram os seus e se blindam. Sonham o mesmo sonho: eles, só eles, merecem governar o mundo.

-Sobre João Teixeira Lopes-

Licenciado em Sociologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (1992), é Mestre em ciências sociais pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (1995) com a Dissertação Tristes Escolas – Um Estudo sobre Práticas Culturais Estudantis no Espaço Escolar Urbano (Porto, Edições Afrontamento,1997). É também doutorado em Sociologia da Cultura e da Educação (1999) com a Dissertação (A Cidade e a Cultura – Um Estudo sobre Práticas Culturais Urbanas (Porto, Edições Afrontamento, 2000). Foi programador de Porto Capital Europeia da Cultura 2001, enquanto responsável pela área do envolvimento da população e membro da equipa inicial que redigiu o projeto de candidatura apresentado ao Conselho da Europa. Tem 23 livros publicados (sozinho ou em co-autoria) nos domínios da sociologia da cultura, cidade, juventude e educação, bem como museologia e estudos territoriais. Foi distinguido, a  29 de maio de 2014, com o galardão “Chevalier des Palmes Académiques” pelo Governo francês. Coordena, desde maio de 2020, o Instituto de Sociologia da Universidade do Porto.

Texto de João Teixeira Lopes
A opinião expressa pelos cronistas é apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

18 Abril 2024

Bitaites da Resistência: A Palestina vai libertar-nos a nós

16 Abril 2024

Gira o disco e toca o mesmo?

16 Abril 2024

A comunidade contra o totalitarismo

11 Abril 2024

Objeção de Consciência

9 Abril 2024

Estado da (des)União

9 Abril 2024

Alucinações sobre flores meio ano depois

4 Abril 2024

Preliminares: É possível ser-se feliz depois de um abuso?

4 Abril 2024

Eles querem-nos na guerra

2 Abril 2024

Defesa da Europa

2 Abril 2024

O dia em que o relógio parou

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

Saber mais

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0