O projeto da Rede Eunice Ageas, do Teatro Nacional D. Maria II (TNDMII), irá iniciar a partir do dia 17 de outubro, uma digressão nacional com a peça Fake, de Inês Barahona e Miguel Fragata. Esta será a primeira de quatro espetáculos produzidos ou coproduzidos pelo D. Maria II, que vão passar por Bragança, Cartaxo, Portalegre e Portimão.

Este será o quinto ano consecutivo que o projeto de circulação nacional irá para a estrada, materializando uma parceria com municípios que pretendem reforçar a oferta teatral de qualidade nas suas comunidades.

O Centro de Artes do Espetáculo de Portalegre, o Centro Cultural do Cartaxo, o Teatro Municipal de Bragança e o Teatro Municipal de Portimão (o primeiro a integrar a rede) são os quatro teatros municipais que, atualmente, compõem a rede e que, ao longo da temporada 2020/2021, vão receber mais três espetáculos, além de Fake, que tem estreia absoluta no Centro Cultural do Cartaxo, a 17 de outubro.

De acordo com o TNDMII, para além de Fake, que estará em cena no D. Maria II, entre 03 e 20 de dezembro, serão também apresentados os espetáculos Off, da companhia Mala Voadora, com direção de Jorge Andrade, que será apresentado no D. Maria II em janeiro e depois nos outros teatros; Morte de um caixeiro viajante, de Arthur Miller, com encenação Jorge Silva Melo, que estreia a 04 de fevereiro de 2021 no TNDMII antes de partir para as outras cidades da rede, em abril; e Praça dos Heróis, texto de Thomas Bernhard, com direção artística David Pereira Bastos, que se estreia no D. Maria II a 25 de fevereiro de 2021 e segue para circulação nacional em maio.

Lançada em 2016, e amadrinhada pela atriz Eunice Muñoz, a Rede Eunice Ageas é um projeto desenvolvido em parceria com teatros municipais, com o propósito de reforçar a oferta teatral de qualidade em locais onde esta é ocasional ou irregular. Desde a Temporada 2019/2020 que a rede conta com o apoio do Grupo Ageas Portugal, um dos principais grupos seguradores em Portugal, com o objetivo de alargar a oferta teatral em geografias cada vez mais abrangentes.

Texto de Ricardo Ramos Gonçalves
Fotografia de Pedro Macedo da peça Fake

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.