fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

Na Revista Gerador 43, na crónica Repasto, que agora partilhamos contigo, Manuel Luar fala-nos sobre as memórias e reflexões em torno dos 50 anos do 25 de Abril, evocando histórias do passado e questionando sobre o significado da liberdade nos dias de hoje.

Opinião de Manuel Luar

Ilustração de André Carrilho

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Iniciam-se as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril. Data que foi vivida por quem, à data, já respirava e pensava alto, mas cada um à sua maneira.

Em minha casa, na agenda de bolso da minha Mãe – normalmente utilizada para assentar as consultas médicas e pouco mais –, a informação para esse dia é muito lacónica, mas, ao mesmo tempo, radiante: «Acabou o Fascismo.»

E mais nada.

Começo esta conversa com uma citação de um artigo notável de meu mestre Vasco Pulido Valente, escrito no jornal Público em 2014:

Ao ouvir falar os nossos políticos de hoje damo-nos conta que ninguém parece ter vivido os tempos de fome e desespero que duraram muito mais de 40 anos, durante a República de Salazar e de Caetano.

O Portugal de hoje não conseguiria nunca perceber o Portugal de 1950 ou de 1960. Nem decerto lhe descreveram o deserto que foi Lisboa nessa época de chumbo, onde ir ao café ou a um cinema de “reposição” tomavam as proporções de um acontecimento.

A pobreza contaminava tudo. O que se vestia, o que se comia, o que se fazia, o que se pensava. Mais do que na gente que mandava no Estado e no cidadão comum, a tirania estava na necessidade de poupar, na privação perpétua da frivolidade e do prazer, no mundo imóvel e sem saída, que pouco a pouco se tornava numa prisão a céu aberto.

Este assunto recorda-me uma história do Tio Santidade, personalidade da minha Serra da Estrela, cuja vida dava um filme e que tinha, como uma das particularidades do seu temperamento, um ódio profundo à água canalizada (ou não) para beber e para se lavar.

O velho Tio Santidade ficava imperturbável quando ouvia as vizinhas aos berros, a queixarem-se de que «ia faltar a água». Dizem que encolhia os ombros, sorria e andava para a frente empurrando as cabras.

Água? Água era coisa que o Tio Santidade só bebia se misturada no vinho (sem ele saber). E, para banhos, acho que dela se servia uma vez por ano, na Páscoa da Ressurreição, logo de manhã, e isto quando o compasso lá ia a casa…
Porque, quando acabou esse velhíssimo hábito da visita pascal, o Tio Santidade terá também, por falta de utilidade e com medo de se constipar, acabado com a ideia do banho anual. Morreu como os outros, mas aos 90 anos, e para quem fumava um maço de «3 vintes» por dia, e bebia, também por dia, meio garrafão até às oito da noite, e o outro meio entre as oito e a meia-noite, até que não foi «convocado» muito cedo…

Leva-nos a pensar se não metemos demasiada água na nossa vida atual…

Também é verdade que a neta, sem ele saber, lhe batizava recorrentemente o conteúdo do velho garrafão, levando-o a maldizer com palavras feias o taberneiro fornecedor.

Quando o Tio Santidade já nem via pela violência da «tosga», quem se lixavam eram as cabras que lhe pertenciam… Ficavam toda a noite sem ser mungidas por muito que berrassem.

Por vezes, e mais sóbrio (o que era raro), contava «estórias do tempo da miséria». Segundo aquela autoridade, naqueles tempos um pobre devia andar sempre com duas coisas no bolso da jaqueta surrada: um copo de madeira ou de alumínio (para não partir) e… um ossito de borrego.

O copo era para beber «à espicha» nalguma adega que encontrasse com a porta mal fechada, encostada. E o osso era para cheirar antes de beber. Com o cheiro da carne do borrego (já «falecido»), o vinho sabia-lhe melhor.

O Tio Santidade (que ainda viveu o 25 de Abril) gostava de terminar a sua parábola com a frase: «Hoje, já não há pobres como antigamente! Ainda bem, porque as portas das adegas já não são de madeira carunchosa e têm todas fechaduras de jeito…»

E recordava ainda como era feita a «resistência» ao poder dos tiranetes locais nos tais anos de chumbo, entoando um provérbio (beirão?): «Pão bolorento, pouco vinho e vinagrento, sardinha salgada? Cava tu Enxada!»

A vida do homem «rico» da aldeia, que criava dois ou três porcos para vender, comprava queijo aos pastores para comercializar em Viseu e tinha algumas terras para batatas e vinho, devia parecer aos pobres de então tão «opulenta» como hoje nós consideramos a vida de algum português a passar as férias de verão ao largo de Ibiza num iate Ascari alugado com tripulação.

É a distinção entre o «relativo» da vida (das vidas) que nos faz ser mais otimistas ou pessimistas no dia a dia de trabalho e de lazer.

Uns (equipa de que faço parte) dirão sempre nas circunstâncias mais maçadoras: «Podia ser pior…»

Nos 50 anos do 25 de Abril, vai falar-se mais uma vez de «liberdade» em praticamente todos os discursos da circunstância.

O que é a Liberdade? Muito melhor do que eu Edmundo Bettencourt a descreveu no seu poema «Ar Livre»:

Enquanto os elefantes pela floresta galopavam
no fumo do seu peso,
perto, lá andava ela nua a cavalgar o antílope,
com uma asa direita outra caída.
E a amazona seguia…
e deixava a boca no sumo das laranjas.
Os olhos verdes no mar.
O corpo em a nuvem das alturas
– a guardadora
da sempre nova faísca incendiária!

Edmundo Bettencourt – Antologia Poética

- Sobre Manuel Luar -

Manuel Luar é o pseudónimo de alguém que nasceu em Lisboa, a 31 de agosto de 1955, tendo concluído a Licenciatura em Organização e Gestão de Empresas, no ISCTE, em 1976. Foi Professor Auxiliar Convidado do ISCTE em Métodos Quantitativos de Gestão, entre 1977 e 2006. Colaborou em Mestrados, Pós-Graduações e Programas de Doutoramento no ISCTE e no IST. É diretor de Edições (livros) e de Emissões (selos) dos CTT, desde 1991, administrador executivo da Fundação Portuguesa das Comunicações em representação do Instituidor CTT e foi Chairman da Associação Mundial para o Desenvolvimento da Filatelia (ONU) desde 2006 e até 2012. A gastronomia e cozinha tradicional portuguesa são um dos seus interesses. Editou centenas de selos postais sobre a Gastronomia de Portugal e ainda 11 livros bilingues escritos pelos maiores especialistas nesses assuntos. São mais de 2000 páginas e de 57 000 volumes vendidos, onde se divulgou por todo o mundo a arte da Gastronomia Portuguesa. Publica crónicas de crítica gastronómica e comentários relativos a estes temas no Gerador. Fez parte do corpo de júri da AHRESP – Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal – para selecionar os Prémios do Ano e colabora ativamente com a Federação das Confrarias Gastronómicas de Portugal para a organização do Dia Nacional da Gastronomia Portuguesa, desde a sua criação. É Comendador da Ordem de Mérito da República Italiana.

Texto de Manuel Luar
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

12 Junho 2024

42: Prólogo

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

7 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0