fbpx
Menu Grande Pesquisa
Carrinho0

A comida também transa

Quando fizemos o convite ao Matheus para ir ao jantar “Portugal meets Brazil”, uma experiência culinária na casa do chef José Esteves, ele confidenciou-nos que se tinha sentido o “último biscoito do pacote”, e foi rápido a dizer que sim. Mas afinal a feijoada é brasileira ou portuguesa? E sabiam que os dois países reclamam o caldo verde como seu prato típico? Pelo que nos parece, foi mesmo uma experiência de lamber o prato!

Ao chegar à morada do número 96 na Rua Luciano Cordeiro, um pouco antes do horário marcado, inúmeras coisas passavam na minha cabeça: “será que cheguei em cima da hora?”, “será que só vai ter bacalhau?” e “será que a Madonna é uma das convidadas?”. Bom, a resposta seria não para todas essas perguntas, mas nada era certo até que, às 20:30, apertei a campainha e a porta abriu. Era hora de conhecer o que me esperava.

Ao chegar, um rosto conhecido: o da Priscila Ballarin – minha conterrânea brasileira que também participou no parto desta revista – e a primeira surpresa da noite: descobrir que a Pri era namorada do Zé Esteves, o Chef, e que aquela era a casa deles. Uma sensação de: “Tudo faz sentido agora!” ecoou na minha mente. Tentei disfarçar minha descoberta à la Sherlock Holmes e saudei o Zé. Vestindo uma dolmã (aquela roupa branca que os cozinheiros usam) e avental, ele estava começando a servir os petiscos.

O Zé me contou que sempre cozinhou para os amigos em casa. Essa é uma das semelhanças que partilho com ele, ambos temos muito prazer em reunir os amigos à mesa, seja almoço, jantar ou mesa de bar. Mas a empatia ficou maior ainda quando descobri que ele morou por algum tempo em São Paulo e no Piauí (Estado no Nordeste brasileiro), o que explica a experiência nos pratos luso-brasileiros. Quem prova carne de sol com manteiga de garrafa, requeijão cremoso e uma boa cachaça artesanal (não estou falando da 51, meus amigos) e sabe adicionar esses ingredientes a pratos típicos da culinária portuguesa, harmonizando com um bom vinho do Douro ou Alentejo, é garantia de sucesso.

“Mas e os demais convidados?”, vocês devem estar se perguntando. Não foi desta vez que conheci uma celebridade internacional, mas um pessoal muito boa onda estava presente. Portugueses e brasileiros misturados, e até um chinês, que ficou hospedado naquela casa há uns meses e virou amigo do casal. Desconhecidos e conhecidos unidos à mesa. É assim que funciona a dinâmica do projeto Chez Esteves, que proporciona, além da experiência Portugal Meets Brasil, aulas de culinária e tours gastronômicos por Lisboa.

E assim que a irmã e o cunhado do Zé chegaram, nos sentamos e o Chef revelou que o menu seria composto de uma entrada, dois pratos e sobremesa, acompanhado de vinho tinto e branco. Para picar, pedaços de queijo da ilha e goiabada. No Brasil, essa dupla é conhecida como Romeu e Julieta. Um acerto para os amantes do “salgadoce” – a mistura de salgado com doce –, como eu.

“Mas e os demais convidados?”, vocês devem estar se perguntando. Não foi desta vez que conheci uma celebridade internacional, mas um pessoal muito boa onda estava presente. Portugueses e brasileiros misturados, e até um chinês, que ficou hospedado naquela casa há uns meses e virou amigo do casal. Desconhecidos e conhecidos unidos à mesa. É assim que funciona a dinâmica do projeto Chez Esteves, que proporciona, além da experiência Portugal Meets Brasil, aulas de culinária e tours gastronômicos por Lisboa.

E assim que a irmã e o cunhado do Zé chegaram, nos sentamos e o Chef revelou que o menu seria composto de uma entrada, dois pratos e sobremesa, acompanhado de vinho tinto e branco. Para picar, pedaços de queijo da ilha e goiabada. No Brasil, essa dupla é conhecida como Romeu e Julieta. Um acerto para os amantes do “salgadoce” – a mistura de salgado com doce –, como eu.

Na sequência, o caldo verde. Esse item é, de acordo com o Zé, o menos consensual de todos, porque Portugal afirma que é um prato típico e o Brasil também. Deve ter sido mais uma dessas receitas que viajou o Atlântico e encantou o gosto popular, assim como a Feijoada. Mas o caldo servido explica porque ambos os países o adoram tanto: era suave, com couve e chouriço de porco preto crocantes. Simplesmente divino.

Enquanto aguardávamos o próximo prato, o Chef atende a uma ligação inesperada: três italianos que ficaram sabendo do jantar pelo Facebook e apareceram mesmo sem reserva. Zé pensou bem e disse: “Vocês acham que eu vou deixar alguém com fome?” e desceu para resolver a situação. Mas não foi desta vez que os italianos se juntaram à mesa, preferiram deixar para uma próxima oportunidade. Então o jantar seguiu com as onze pessoas já presentes, um número considerado por Chez Esteves ideal para todos poderem comer e conversar tranquilamente.

“Não pode beber ainda, só cheirar”, disse o Chef ao retornar com copinhos de shot e um jarro, com uma bebida misteriosa. Ao sentir o aroma, logo disse: “Caipirinha”. Errei, mas não completamente. Era uma batida de limão, bebida famosa para acompanhar pratos pesados, como os buffets de feijoada e, neste jantar, feita para harmonizar com o próximo prato: “dadinhos” fritos de tapioca acompanhados de molho agridoce picante, uma inspiração do famoso prato do Restaurante Mocotó, em São Paulo. Os dados foram lançados e resultaram em mais uma combinação certeira: o crocante da tapioca com o doce levemente apimentado.

Pensei que como sou de Brasília, cidade que teve muita influência da cultura de pessoas que migraram, principalmente, do Nordeste e Sudeste brasileiro, iria reconhecer facilmente aqueles sabores. Mas até o prato seguinte, que aparentava ser mais comum, o feijão tropeiro, que já provei diversas vezes, foi uma surpresa. Farofa de ovos, feijão, cebola caramelizada, couve e enchidos no ponto certo foram o último sabor salgado antes da sobremesa.

No último ato, Zé disse “agora é a hora que eu vou caçar a sobremesa” e saiu de capacete e lanterna, no maior estilo MacGayver, à área externa da casa. Foi buscar flores comestíveis, que davam o toque final à sua última invenção: morangos fritos, uma mistura de sabores, texturas e camadas de morangos fritos em manteiga, iogurte natural, biscoito triturado, menta e flor amor-perfeito recém-colhida.

Toda a experiência foi tão descontraída que eu e Beatriz, nossa fotógrafa, esquecíamos por vezes o motivo pelo qual estávamos lá. Parecia que éramos apenas amigos do Zé à mesa em mais uma noite na sua casa. No Portugal meets Brasil, os dois países se encontram e conversam com o restante do mundo numa viagem gastronômica que percorre diversos quilômetros sem ao menos sair da mesa de jantar.

Texto por Matheus Miranda, futuro jurado do MasterChef

Fotografias por Beatriz Sequeira

 

NO GERADOR ABORDAMOS TEMAS COMO CULTURA, JUVENTUDE, INTERIOR E MUITOS OUTROS. DESCOBRE MAIS EM BAIXO.

Já pensaste em tornar-te sócio gerador?

Ser Sócio Gerador é ter acesso à assinatura anual da Revista Gerador (4 revistas por ano), a descontos nas formações da Academia Gerador, passatempos exclusivos, experiências e vantagens na cultura.

A tua lista de compras
O teu carrinho está vazio.
0