fbpx
Menu Grande Pesquisa
Carrinho0

se eu fosse eu

Nas Gargantas Soltas de hoje, Noa Brighenti desafia os leitores a escreverem o que seriam "se eu fosse eu".

Conheci a realizadora Cláudia Varejão em novembro, aquando de uma sua visita à faculdade de direito de Lisboa - nessa visita, falou-nos (a nós, alunos) do seu trabalho, do seu processo criativo, e falou-nos também de Clarice Lispector: da crónica se eu fosse eu.

Nela, Clarice conta que quando perde algo e não sabe onde está se pergunta a si mesma: “se eu fosse eu e tivesse um papel importante para guardar, que lugar escolheria?”, mas que a frase “se eu fosse eu” pressiona-a de tal maneira que a procura se torna secundária e escritora começa antes a pensar, “diria melhor SENTIR”, esse universo alternativo solto das mentiras do eu - que “parece representar o nosso maior perigo de viver, parece a entrada nova no desconhecido”. 

Se eu fosse eu não sei se escreveria, acho que se eu fosse eu nem precisaria de escrever porque já não haveria nada em que pensar - seria só ação e sentimento, seria um caos total, provavelmente um bom caos. Se eu fosse eu seria menos eu do que sou agora; tenho-me vindo a aperceber que gosto de ser amestrada pelas palavras que há em mim - eu só sou eu no que escrevo e se eu não escrevesse morreria entupida de mim. Não sei se tenho salvação, estou há quatro meses a pensar nisto e não consigo ver-me fora deste corpo, desta mão, desta vida - talvez o meu problema seja ser demasiado eu. Isto lembra-me Marguerite Duras: “escrever é tentar saber aquilo que escreveríamos se escrevêssemos - só o sabemos depois - antes, é a interrogação mais perigosa que nos podemos fazer. Mas é também a mais corrente.”

Hoje escrevo para vos propor (a vós, leitores) este mesmo exercício: o que seriam vocês se fossem vocês? 

Espero as vossas respostas.

-Sobre a Noa Brighenti-

Noa Brighenti começou por colecionar conchas e cromos aos 6 anos. Com 9 recitou o seu primeiro poema, teve o seu primeiro amor e deu o seu primeiro concerto no pátio da escola. Fartou-se dos museus aos 13, jurou que nunca mais pintaria aos 14 e quando fez 17 desfez este juramento. Com 21 anos, coleciona gatos e perguntas. Pelo meio, estuda Direito na Faculdade de Direito de Lisboa, anda, pinta e lê. De vez em quando escreve — escreve sempre de pé.

Texto de Noa Brighenti
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

NO GERADOR ABORDAMOS TEMAS COMO CULTURA, JUVENTUDE, INTERIOR E MUITOS OUTROS. DESCOBRE MAIS EM BAIXO.

Já pensaste em tornar-te sócio gerador?

Ser Sócio Gerador é ter acesso à assinatura anual da Revista Gerador (4 revistas por ano), a descontos nas formações da Academia Gerador, passatempos exclusivos, experiências e vantagens na cultura.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0