fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Opinião de Rita de Almeida Neves

Sem ensaios de ciência: Viagem decisiva – entre ciência e humanidade

Na Revista Gerador 43, na crónica Sem ensaios de ciência, que agora partilhamos contigo, Rita de Almeida Neves fala-nos sobre a importância de decisões baseadas em ciência e humanidade, destacando a necessidade de equilibrar lógica e sensibilidade nas escolhas políticas e pessoais.

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Decisão, escolha, opção. Da clássica «pedra, papel, tesoura» ao tradicional «pimpampum», das listas de prós e contras às reflexões mais profundas, das consultas públicas aos saltos de fé, cada decisão carrega consigo um processo único, mais ou menos complexo. A certeza é constante: como indivíduos e sociedade, deparamo-nos frequentemente com momentos cruciais que exigem escolhas, decidir.

Escrever sobre decisões pode levar a vários caminhos, e a uma panóplia de teorias de como o fazemos ou as melhores abordagens, e convido-vos a embarcar nesta viagem comigo. Ao olhar para as várias camadas da nossa vida, percebo que somos todos decisores, o que muda é a nossa esfera de ação. Dependendo do nosso lugar nessa esfera, podemos ser também os que têm de lidar com as decisões que são de outros decisores.

E se muitos se debruçam sobre a fórmula certa de tomar decisões, enquanto se vai travando batalha dos clichês que «não decidir é uma decisão» ou «que a pior decisão é não decidir», surge cada vez mais no contexto das escolhas sociais, ambientais, económicas, a premência de decisões com informação, baseadas em evidências, com ciência. Nessa esfera de ação, ter bons decisores torna-se essencial, e, numa sociedade e mundo a alta velocidade, é cada vez mais desafiante ter este papel.

Se tivesse de escolher uma lista de características para uma pessoa decisora, poria, sem dúvida, a capacidade de ouvir, de consultar, de questionar, de prever cenários, e a coragem. No fundo, a capacidade de ter uma abordagem científica aliada a um humanismo e empatia. Esta abordagem científica na tomada de decisões revela-se crucial em diversos domínios da vida, incluindo o cenário político, onde estas escolhas fundamentais moldam sociedades e determinam o futuro.

Ao ler sobre decisões, dei um salto a outros séculos, e cheguei a uma narrativa particularmente fascinante ao explorar as escolhas de Charles Darwin, conhecido cientista. No século XIX, Darwin embarcou na sua expedição à volta do mundo, que o levou ao desenvolvimento da teoria da evolução. No entanto, uma das decisões mais cruciais de sua vida não ocorreu nas vastidões da natureza, mas sim num contexto mais pessoal – escolher Emma Wedgwood como sua parceira de vida.

O método de Darwin para tomar essa decisão é certamente usado por muitos de nós hoje: fez uma lista de prós e contras. Encontrada esta lista nos seus diários, percebemos que, apesar de ter listados mais contras do que prós, ainda assim decidiu casar com a sua amada Emma. Posso especular um pouco aqui: apesar do seu pensamento científico e tentativa de sistematizar esta decisão, Darwin parece ter compreendido que, apesar do utilitarismo e racionalidade de uma lista, há uma dimensão de propósito, emoção e humanidade quando associada a este tipo de escolhas.

Conduziu-me assim a uma perspetiva intrigante sobre como as decisões baseadas em ciência podem transcender fronteiras disciplinares. Pelo contrário, elas são permeadas por uma dimensão mais ampla de propósito, emoção e humanidade. A narrativa de Darwin nos convida a refletir sobre como a aplicação de métodos científicos na tomada de decisões pode ser enriquecedora, mas nunca totalmente divorciada da complexidade inerente à condição humana.

Se regressarmos aos decisores, sejam elementos num parlamento, governo, organização, e como este balanço entre decisões e escolhas baseadas em evidência, e um olhar completo para o contexto humano dessa decisão, deparamo-nos com a verdadeira complexidade da tomada de decisões.

Por um lado, a ênfase deve ser posta no processo da tomada de decisão e não apenas em quem lidera o país, por exemplo. O sistema como um todo deve ser construído de maneira eficiente e baseado em evidências. No entanto, apesar do valor da ciência, que exige rigor e validação pela comunidade científica, percebemos que, para problemas complexos de formulação de políticas, a ciência, muitas vezes, não fornece uma resposta única.

A aplicação da ciência na política não se resume apenas a dados e análises estatísticas, mas também uma compreensão aprofundada dos problemas sociais e económicos. E nesta dimensão, os valores de quem decide podem apresentar um peso preponderante na decisão, mesmo com toda a ciência envolvida.

Quão interessante seria todo este processo de decisão ser transparente? Ou até em certos pontos mais colaborativo e envolver mais quem também irá lidar com a decisão. Discutir as opções, fazer escolhas em diálogo aberto com especialistas, os decisores políticos, mas também a comunidade envolvida, criando novos decisores.

A ciência, aliada à empatia e ao humanismo, pode conduzir a escolhas políticas transformadoras. As decisões significativas, muitas vezes, requerem uma combinação equilibrada de lógica e sensibilidade, integrando o melhor das descobertas científicas com a riqueza da experiência humana.

-Sobre a Rita de Almeida Neves-

Rita é comunicadora de ciência e uma ativista do poder da ciência em prol da democracia. Tem-se dedicado a programas educativos e de aproximação de ciência à sociedade. Bioquímica, partilha a paixão entre as palavras e as moléculas, e nunca a vão encontrar sem um caderno e caneta.

As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Julho 2024

Tranças de resistência

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

22 Julho 2024

Incertezas e ambiguidades: a nuvem cinzenta dos crimes de incitamento ao ódio

19 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

17 Julho 2024

42: Caixas e cartas

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

16 Julho 2024

Assassinato de carácter: o (pré)juízo de Cláudia Simões

12 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0