Com dramaturgia e encenação de Fernanda Lapa e texto de Orlando da Costa, a peça Sem Flores Nem Coroas estará no palco do Teatro Nacional São Luiz de 10 a 19 de Janeiro.

Trazida pela Escola de Mulheres e interpretada por João Grosso, Margarida Marinho, Carolina Amaral, Pedro Russo, Elsa Galvão e Rita Paixão, abraça um período histórico, a invasão das tropas da União Indiana, em 1961, à Índia Portuguesa, que ocorreu em trinta e seis horas, a partir da experiência de uma família brâmane e católica de Goa, como a do autor. “Uma atmosfera quase irrespirável por via dos confrontos e debates das personagens, em que o amor, o ódio, os compromissos, a coragem e as fraquezas explodem face ao inevitável”, como se lê na sinopse.

Em 1950, Nehuro, primeiro-ministro indiano, reivindica os territórios que se encontram sob domínio português, mas Salazar recusa o diálogo. Na noite de 17 de Dezembro desse ano, os soldados indianos atravessaram a fronteira. Apesar da recuperação dos territórios, por parte da União Indiana, Portugal só reconheceu a independência destes, de forma oficial, em Abril de 1974.

Sem Flores Nem Coroas, escrita em 1967 e publicada em 1971, pela Seara Nova, nunca foi representada. Esta obra é a única abordagem ao fim do Império Português, no panorama teatral do país.

Este artigo encontra-se ao abrigo do Acordo Ortográfico de 1945

Texto de Raquel Botelho Rodrigues
Fotografia de Estelle Valente