O Teatro No Parque é uma iniciativa da SMUP que apresenta, este ano, a sua primeira edição. O espetáculo de teatro ao ar livre irá ganhar vida no Parque Morais, na Parede. Ao desenvolver um projeto fora de portas, a SMUP pretende dinamizar a oferta cultural local e aproximar-se da comunidade envolvente, levando teatro à rua. Esta iniciativa é também uma oportunidade de descentralizar o acesso à cultura.

Muito Barulho Por Nada é uma adaptação da obra homónima de William Shakespeare, a cargo do encenador Manuel Jerónimo. A peça estará em cena entre 7 e 11 de julho de 2021. O arranque está marcado para as 21h00, e o espetáculo conta aproximadamente com uma hora de duração. A peça tem como alvo primordial levar o teatro a um público que habitualmente não vai ao teatro, dando-lhe a conhecer um texto clássico e canónico da literatura mundial numa linguagem e estilo atualizados, sem perder os elementos fundamentais e universais da obra em causa.

Também o espaço cénico e a encenação são pensados nesse sentido, não só procurando fazer uso das linguagens contemporâneas do teatro europeu, particularmente na linha do teatro físico e de devised theatre, mas inserindo-o num contexto que habitualmente não é associado a teatro – o jardim. Assim, utilizando um texto chamativo, mas canónico, com um processo criativo contemporâneo, num espaço da cidade invulgar, o Teatro No Parque pretende invadir novos territórios teatrais e conquistar, desse modo, novos públicos e novas gerações para o teatro

O espetáculo resulta de uma co-produção da Companhia de Teatro da SMUP e a Companhia de Teatro Gato Escaldado. A parceria criada entre estas duas companhias surge da vontade de unir esforços, de criar uma ligação entre uma companhia amadora mas com alguns anos de experiência (CTS) e uma companhia que pretende profissionalizar-se cada vez mais, que procura ganhar mais experiência e terreno no teatro português (CTGE).

Os bilhetes estarão disponíveis brevemente online (em See Tickets Portugal) e também na secretaria da SMUP. As apresentações terão lotação limitada, e irão respeitar as normas da Direção Geral de Saúde.

Texto de Isabel Marques
Fotografia de João Santos