Carmo’81, espaço cultural aberto desde agosto de 2015 em Viseu, lança um novo festival que se apresenta como uma consequência do que tem sido feito no Carmo ao longo dos últimos anos, agendado para o período entre 3 de maio e 1 de junho. KARMA – is a fest – é o seu nome, e surge quase como auto-explicação do conceito.  

Depois do sucesso do festival “Cultura Urbana”, que teve duas edições, e “Solos e Solidão”, que contou apenas com uma, o Carmo’81 pretende alcançar com o KARMA um lugar no roteiro de festivais do país, com uma programação eclética. No total são 14 concertos, uma oficina, um debate, uma fanzine, uma exposição de fotografia e uma residência artística. 

Numa clara homenagem à música alternativa portuguesa, o cartaz faz-se com Pop Dell’Arte, Gala Drop, Jibóia, Dada Garbeck, The Dirty Coal Train, José Pedro Pinto, Keep Razors Sharp, Montanhas Azuis, Sensible Soccers, Ohxalá e os DJs sets de Osmose e César Zembla. Paralelamente à programação musical foi pensada a Talk “Ouvimos Karma?”, na qual Vera Marmelo (fotógrafa de música), Gui Garrido (diretor do festival A Porta) e Rui Sousa (Dada Garbeck), moderados por Rui Portulez, vão pensar o estado atual da música, através de questões como “ Qual o poder da promoção e divulgação?” e “É possível viver de forma financeiramente digna do mercado da música?”. 

O KARMA já lançou o vídeo de apresentação 

Além da talk, está pensado outro momento que tanto pode ser lúdico como de reflexão, a sessão de Doc’s Antena 3. “Uma espécie de punk”, “I Love My Label – Editoras” e “I Love My Label – Ser Independente”, todos assinados por Rui Portulez e António Sabino. O primeiro é uma viagem pelo punk português, com as vozes de músicos como António Sérgio, Xutos & Pontapés, Peste&Sida e Mata-Ratos; o segundo um levantamento de editoras de música independentes onde, entre outras, aparecem a Lovers & Lollypops e a Discotexas; e o terceiro questiona a importância de ser independente a músicos como B Fachada, Tó Trips, Surma, Da Chick e Filho da Mãe.

Trailer do documentário “Uma espécie de punk”

Para fomentar a aprendizagem e levantar o véu a novas possibilidades, o KARMA apresenta a Oficina de Estranhofones, na qual os sons esquisitos são considerados mais do que marginais. Encontrar o encanto na estranheza e criar uma melodia a partir daí é o desafio. Ainda seguindo a lógica de abraçar o estranho, cria-se a Residência com apresentação do Sr. Jorge, o zelador da Igreja Misericórdia de Viseu que é um fadista autodidata. Na residência do Carmo’81, o Sr. Jorge será acompanhado por três músicos profissionais, Rui Souza (Dada Garbeck e El Rupe), João Pedro Silva (The Lemon Lovers) e Gonçalo Alegre (Galo Cant’às Duas), onde juntos terão o desfio de desobstruir o fado tradicional. 

Assumindo o KARMA uma postura eclética e que pretende não só chegar a todos os públicos mas ser composta por pessoas que à partida não estariam no cartaz de um festival, inclui A Voz do Rock, um grupo composto maioritariamente por octogenários de Viseu, numa performance musical que presente celebrar o prazer da partilha musical. A tour vai ter 3 momentos de apresentação, nos dias 8, 15 e 22 de maio, na Escola Emídio Navarro, no Internato Vítor Fontes e no Agrupamento de Escolas Infante D. Henrique – Escola Básica Paradinha, respetivamente. 

O Carmo’81 é um espaço cultural em Viseu, aberto desde agosto de 2015 com o intuito de contribuir para o desenvolvimento do cenário artístico da cidade. Por lá já passaram cerca de 200 atividades de cinema, música, exposições, masterclasses, feiras e conversas. A programação do espaço é feitas pelos seus cooperantes, mas mostra-se aberta a sugestões da comunidade, que podem contribuir com propostas através do e-mail ruadocarmo81@gmail.com. 

Texto de Carolina Franco
Fotografia de KARMA

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.