fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Opinião de Jorge Pinto

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

Nas Gargantas Soltas de hoje, Jorge Pinto fala do novo aeroporto de Lisboa e dos desafios que a aviação enfrenta para se tornar mais sustentável.

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

E eis que, a catorze de maio de 2024, é novamente anunciado o local para a construção do novo aeroporto de Lisboa: no campo de tiro de Alcochete, na margem Sul do rio Tejo. Este anúncio, a traduzir-se na efetiva construção do novo aeroporto, trará resposta a um problema que tem décadas. Mas, num momento de múltiplas crises ecológicas, o anúncio de um novo aeroporto não deve, não pode, ser feito sem se anunciar o modo como este se integra num plano de mobilidade sustentável e como se prevê a redução do impacto ambiental do setor da aviação. E sobre isso, fica ainda muito por dizer.

O encerramento total do aeroporto Humberto Delgado é essencial e urgente e por três grandes razões: de segurança, operacionais e de saúde. Razões de segurança porque, apesar de mínimo, é sempre mais arriscado ter um aeroporto tão próximo do centro da cidade e que tem as aterragens e descolagens a sobrevoar milhares de edifícios; razões operacionais porque, fruto do aumento drástico do número de voos, a gestão aeroportuária é cada vez mais complexa; e, aquela que é a principal razão, por questões ambientais e de saúde humana. 

É hoje sabido o impacto na saúde humana do deteriorar da qualidade do ar a nível local nas zonas próximas do aeroporto e, sobretudo, o impacto do ruído na saúde humana. São cada vez mais os estudos que provam que o ruído, e certamente o ruído da aviação, está associado ao aumento de doenças cardiovasculares, de demência, de distúrbio do sono e mau desempenho escolar. E estas consequências são particularmente danosas durante o período noturno e fazem-se sentir também durante o sono, mesmo quando não se traduz em despertar. E é por isso que aumentar a capacidade do aeroporto Humberto Delgado até à inauguração do novo aeroporto é um erro.

Em resumo: encerrar totalmente o aeroporto da Portela é uma decisão importante e correta. Sobram então as outras questões, como saber que contrapartidas foram eventualmente prometidas à Vinci, quais as razões de expandir o atual aeroporto até que o novo esteja operacional, o que acontecerá aos terrenos onde se situa o atual aeroporto e se estes, depois de despoluídos, servirão para criar habitação a preço justo e como este novo aeroporto se encaixa na necessária visão de transição ecológica do país. E é sobre este ponto que dedicarei o restante do artigo.

O setor da aviação, apesar das melhorias nos anos recentes no que diz respeito às emissões de gases com efeito de estufa nos aviões de nova geração, viu o total das suas emissões aumentar devido ao aumento substancial do número total de voos. E os problemas ambientais do setor não se resumem a estes gases, devendo incluir-se, como já referido, o ruído, os gases não-CO2 e a qualidade do ar local. Acresce que apenas um número reduzido de pessoas a nível global usufrui do transporte aéreo. É por isso essencial que a construção de um novo aeroporto venha acompanhada de uma visão global para a mobilidade e para a sustentabilidade. E é essa visão que falta ao governo.

Desde logo, é essencial assegurar a realização de uma nova avaliação de impacto ambiental (AIA). A anterior AIA, entretanto caducada, foi feita há demasiados anos e se os impactos identificados numa nova AIA serão certamente similares, poderá haver uma nova lista de soluções de mitigação para esses problemas. 

É também preciso definir como se integrará o novo aeroporto com um modelo de mobilidade sustentável, não só com a ligação à ferrovia de alta velocidade, mas também garantindo a facilidade de acesso ao novo aeroporto através de transportes públicos. E mais, é essencial pensar a aviação reduzindo ao máximo os trajetos de curta distância; no dia em que escrevo, 15 de maio de 2024, cerca de 10% do total de voos em Lisboa são de e para o Porto, Faro e Madrid – voos que deveriam facilmente ser substituídos por uma ligação ferroviária de qualidade. 

Quanto aos voos de longa distância, o desafio é ainda maior. De acordo com o último European Aviation and Environment Report, estes voos são 6% do total a nível europeu mas responsáveis por 50% das emissões. A eletrificação dos aviões capazes deste tipo de voos, contrariamente a pequenos jatos para voos curtos, não é previsível no médio prazo. As alternativas atualmente a ser investigadas passam sobretudo pelo hidrogénio verde e por combustíveis sintéticos mas, também sobre isto, ainda não ouvimos uma palavra do governo. E esta é uma área em que Portugal se poderia destacar a nível global. 

Pensar em sustentabilidade na aviação também nos obriga a pensar em limitar drasticamente os voos de jatos privados, acabar, pelo menos a nível europeu, com a isenção de imposto dos combustíveis da aviação e pensar num mecanismo de imposto sobre passageiros frequentes que possa servir para financiar a transição ecológica do próprio setor da aviação. 

Em resumo, este anúncio é importante, mas tão ou mais importante é esclarecer o que ainda não é claro e assegurar que um novo aeroporto é construído tendo em conta os desafios ecológicos que já vivemos e que só se irão agravar no futuro próximo. 

-Sobre Jorge Pinto-

Jorge Pinto é formado em Engenharia do Ambiente (FEUP, 2010) e doutor em Filosofia Social e Política (Universidade do Minho, 2020). A nível académico, é o autor do livro A Liberdade dos Futuros - Ecorrepublicanismo para o século XXI (Tinta da China, 2021) e co-autor do livro Rendimento Básico Incondicional: Uma Defesa da Liberdade (Edições 70, 2019; vencedor do Prémio Ensaio de Filosofia 2019 da Sociedade Portuguesa de Filosofia). É co-autor das bandas desenhadas Amadeo (Saída de Emergência, 2018; Plano Nacional de Leitura), Liberdade Incondicional 2049 (Green European Journal, 2019) e Tempo (no prelo). Escreveu ainda o livro Tamem digo (Officina Noctua, 2022). Em 2014, foi um dos co-fundadores do partido LIVRE.

Texto de Jorge Pinto
Fotografia de Luís Catarino
*As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.*

As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Julho 2024

Tranças de resistência

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

22 Julho 2024

Incertezas e ambiguidades: a nuvem cinzenta dos crimes de incitamento ao ódio

19 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

17 Julho 2024

42: Caixas e cartas

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

16 Julho 2024

Assassinato de carácter: o (pré)juízo de Cláudia Simões

12 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0