fbpx
Menu Grande Pesquisa
Carrinho0

Sugestões de Natal por Hugo Brito

O Chef Hugo Brito nasceu em Lisboa, em 1974. Estou Sociologia na Universidade Nova de Lisboa, mas cedo sentiu que o seu caminho não seria por ali. Através de uma namorada, que era artista plástica, entrou no mundo das artes, quando visitaram a ARCOmadrid, Feira de Arte Comtemporânea, em Madrid, e a exposição de Bruce Nauman, no Museu Reina Sofia. Formou-se em Artes Plásticas no Ar.Co, área em que realizou uma pós-graduação em Amsterdão, onde, também, descobriu a cozinha. Para "arranjar uns dinheiros", começou como copeiro, depois passou para ajudante de cozinha. Reconhecendo o seu talento, os responsáveis do restaurante ofereceram-lhe um curso de cozinha. Em part-time, manteve esta actividade com a de artista plástico. Quando regressou a Portugal, em 2003, recebeu uma bolsa de criação artística da Fundação Calouste Gulbenkian e leccionou no departamento de Vídeo do Ar.Co.

A partir de 2009, entregou-se inteiramente aos sabores. Hugo foi Sous-Chef do 100Maneiras e, em 2014, abriu, com o Chef Pedro Duarte, o restaurante Boi-Cavalo, em Alfama. "Restaurantes há muitos, mas para mim o curioso é como transformar um sítio de comida numa casa. Na nossa cultura comer tem uma ligação muito forte à família", disse numa entrevista ao Café dos Artistas.

 

Hugo Brito aceitou a proposta Geradora e deu-nos sugestões para acalmar o rebuliço natalício:

 

Um livro

Há magia no ar nesta altura, não é? Por isso, oferecia os contos de fadas (impossivelmente enegrecidos) de A Wild Swan and Other Tales, do Michael Cunningham, mas com a advertência que não abrissem o embrulho antes de 15 ou 20 de Janeiro, para não estragar as festividades.

Um CD

O 30 Greatest Hits: Portrait of a Legend 1951-1964, do Sam Cooke. Ainda melhor se for em vinil.

Um filme

Se for para me oferecerem, é o Against all Odds, que ando a tentar rever há anos. Senão, é o Salteadores da Arca Perdida, não por ser o meu filme preferido (que é), mas porque, mal pressionem play, seja dia de natal ou outro dia qualquer, ninguém volta a desviar os olhos do ecrã (mesmo que todos o tenhamos visto uma dúzia de vezes).

Um evento cultural a não perder 

Sem dúvida nenhuma, ESPELHO, a exposição do Rui Sanches na cordoaria. Já inaugurou há algum tempo, mas está aberta ainda até 12 de Janeiro. O Rui Sanches é, para mim, o mais incontornável dos artistas portugueses das décadas de 80 e 90, e dá-me uma alegria enorme reencontrar esculturas dele, que são velhas amigas, e, mais ainda, ver que o trabalho dele continua vital, continua pertinente. E gosto muito que a curadoria do Delfim Sardo (como é, aliás, habitual), não seja uma coisa tímida ou apagada, mas um diálogo muito empenhado e pessoal.

O que não te pode faltar na mesa da ceia de Natal?

Bacalhau e as coisas todas que vêm com ele, claro! Sou muito chato com a qualidade dos produtos nestas alturas, com o bacalhau, sim, mas também com as couves, as batatas e, principalmente, muito chato com o azeite. O azeite tem que ser mesmo, mesmo, bom.

Este artigo não segue o Novo Acordo Ortográfico

Texto de Raquel Botelho Rodrigues
Fotografia de Vera Marmelo

Se queres ler mais crónicas da Pergunta da Sorte, clica aqui.

NO GERADOR ABORDAMOS TEMAS COMO CULTURA, JUVENTUDE, INTERIOR E MUITOS OUTROS. DESCOBRE MAIS EM BAIXO.

Já pensaste em tornar-te sócio gerador?

Ser Sócio Gerador é ter acesso à assinatura anual da Revista Gerador (4 revistas por ano), a descontos nas formações da Academia Gerador, passatempos exclusivos, experiências e vantagens na cultura.

A tua lista de compras
O teu carrinho está vazio.
0