fbpx
Menu Grande Pesquisa
Carrinho0

Sugestões de Natal por Joana de Verona

Chama-se "Verona" por coincidência de um livro e de um mapa. Na altura em que os seus pais estavam a escolher o nome, um dos seus três irmãos estava a ler Romeu e Julieta, de William Shakespeare, e, por curiosidade, abriu, aleatoriamente, com o pai, um mapa. "Por acaso, ficou "Verona", contou numa entrevista a Fernanda Câncio.

A actriz luso-brasileira, com nome de cidade italiana, eleita por um inglês, nasceu em 1989, em São Luís do Maranhão. Filha de pais portugueses, chegou a Portugal com 9 meses e viveu em várias regiões do país, acabando por regressar ao Brasil, aos 10 anos de idade. Contudo, foi em Almodôvar, onde vivia, aos 8 anos, que actuou pela primeira vez. Tratava-se de "um espetáculo amador encenado pelo professor de Filosofia do secundário de um dos meus irmãos (seis anos mais velho, hoje músico), chamado Tribunal Ético Moral. E que era de improvisação. (...) O enredo andava à volta de uma criança que um casal lésbico queria adotar. Eu era a criança e tinha de convencer o tribunal de que devia permitir que aquelas duas mulheres me adotassem. Isto em 1998, no Alentejo", comenta Joana de Verona na mesma entrevista.

Estudou teatro no Chapitô e prosseguiu para Escola Superior de Teatro e Cinema. Entre outras formações, fez um curso de documentário nos Ateliers Varanem Paris. Aos 18 anos, quando viu o filme japonês Nobody Knows (2004), de Hirokazu Koreeda, descobriu um caminho que também queria habitar. Nesta escola, realizou o seu primeiro documentário, Chantal (2013). Para além de Paris, Portugal e Brasil, também morou e trabalhou em Berlim.

Nas margens do Atlântico, o seu trabalho tem passado por telenovelas, cinema autoral e peças de teatro, as quais, ultimamente, têm vindo a integrar a companhia de teatro de Mônica Calle, Casa Conveniente, em Portugal. Foi no Brasil, em 2001, que se estreou em televisão, com a mini-série Presença de Anita, de Ricardo Waddington e Alexandre Avancini, exibida pela Globo, mas a sua entrada no cinema foi através de Sombras - Um filme Sonâmbulo (2008), de João Trabulo. Em 2010, recebeu o Prémio de Melhor Actriz, com o filme  Como Desenhar um Círculo Perfeito (2009), de Marco Martins, no Film Festival do Rio de Janeiro, bem como com Mistérios de Lisboa (2010), de Raúl Ruiz, no Lisboa & Estoril Film Festival. No ano seguinte foi distinguida, na mesma categoria, no Cineport (Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa). Em 2012, foi nomeada pelo jornal brasileiro O Globo como uma das três novas beldades do cinema europeu, ao lado da francesa Léa Seydoux.

Neste momento, está a gravar a novela Éramos Seis, de Carlos Araújo, uma produção da TV Globo.

 

Joana de Verona aceitou a proposta Geradora e deu-nos sugestões para acalmar o rebuliço natalício:

Um livro

A Queda do Céu (A partir de relatos de Davi Kopenawa, xamã e líder dos índios yanomami)

Um CD

Amazon River, de Philip Glass e Ascensão, de Serena Assunção

Um filme

Shoplifters, de Hirokazu Koreeda

Um evento cultural a não perder

Um bom espectáculo de dança ou teatro

O que não te pode faltar na mesa de Natal?

Pessoas amadas

*Este artigo encontra-se ao abrigo do Acordo Ortográfico de 1945

Texto de Raquel Botelho Rodrigues
Fotografia de Nana Moraes

Se queres ler mais crónicas da Pergunta da Sorte, clica aqui.

NO GERADOR ABORDAMOS TEMAS COMO CULTURA, JUVENTUDE, INTERIOR E MUITOS OUTROS. DESCOBRE MAIS EM BAIXO.

Já pensaste em tornar-te sócio gerador?

Ser Sócio Gerador é ter acesso à assinatura anual da Revista Gerador (4 revistas por ano), a descontos nas formações da Academia Gerador, passatempos exclusivos, experiências e vantagens na cultura.

Shopping cart
There are no products in the cart!
Continue shopping
0
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}
Copy link
Powered by Social Snap