Chama-se Teresa Cameira, tem 28 anos e diz-se “amante de batatas fritas, de broas e das coisas boas da vida”. Em 2013, fez nascer o blogue A Cozinha da Ovelha Negra onde partilha variadíssimas receitas, acompanhadas de fotografias que nos fazem “olhar e chorar por mais”, também da sua autoria.

Embora tenha estudado Direito, Teresa Cameira decidiu dedicar-se à culinária. “Cresci com uma mãe que cozinha brilhantemente, a comer de tudo. Por isso, a comida sempre teve algo que me apaixonava”, revela.

O blogue A Cozinha da Ovelha Negra surgiu quando Teresa ainda estava a estudar Direito. “A verdade é que, ao estar num curso do qual não gostava, acabei por criar um escape àquela realidade”, conta. Porém, o escape começou a tornar-se algo ainda mais sério. “O tempo passou, fui-me dedicando cada vez mais e acabei por dar a conhecer o meu trabalho a mais pessoas. Em 2015, estava eu a terminar as aulas do Mestrado quando um amigo me convidou para trabalhar com ele no projeto da Academia Time Out”. A Academia Time Out é uma escola informal de cozinha que funciona no espaço Time Out do Mercado da Ribeira, localizado em Lisboa. Nesta academia, conduzida pelo amante de cozinha Rodrigo Menezes, fazem-se workshops e outros eventos dedicados à gastronomia – Teresa Cameira pertence a esta equipa de chefs há quatro anos.

Além do blogue, também existe uma página de Instagram, @cameirateresa, que não se limita às receitas, nem às fotografias de pratos apetitosos. “Permito-me a partilhar as coisas de que gosto, como as meias, as t-shirts, a maquilhagem, a fotografia e a comida, sendo eu mesma. Quero um reflexo de quem sou”, explica Teresa.

Quando lhe perguntámos qual a sua comida favorita, respondeu-nos peremptoriamente: “Gosto de comida que seja deliciosa! Não me venham com coisas cheias de técnica mas com zero sabor. Até pode ser comida vegan ou sem glúten ou sem açúcar… Se for deliciosa, então eu gosto e cozinho. Adoro desafios, e o meu favorito é fazer uma refeição com o que tiver em casa, sem ter de comprar mais nada.”

Doce confeccionado (e fotografado) pela Teresa

Teresa Cameira aceitou a proposta Geradora e deu-nos sugestões para acalmar o rebuliço natalício:

Um livro

Crónica dos Bons Malandros, de Mário Zambujal

Um CD

Unknown Pleasures, da banda Joy Division

Um filme

Dunkirk (2017), de Christopher Nolan

Um evento cultural a não perder

O concerto “Fuck Christmas, I got the Blues” que o Legendary Tigerman vai dar no dia 25 de dezembro (dia de Natal), na Galeria Zé dos Bois (ZDB) em Lisboa

O que não te pode faltar na mesa de Natal?

Lampreia de Ovos e Broas

Texto de Maria Costa
Fotografias de Teresa Cameira

Se queres ler mais crónicas da Pergunta da Sorte, clica aqui.