Surma é Débora Umbelino. Vem de Leiria mas tem, nos últimos tempos, pisado palcos pelo país e mundo fora.

A música que cria não é fácil de definir mas é um passaporte para outras paragens, mais exóticas, talvez. Cria com teclas, mas também com samplers, cordas ou vozes, que domina na perfeição. Acima de tudo, Surma é possivelmente uma das artistas nacionais mais dinâmicas e criativas da nova geração que já pisou palcos como o festival Eurosonic, deu concertos em mais de 12 países e em festivais como o NOS Alive, Paredes de Coura ou South By Southwest.

No dia 14 de Novembro, quarta-feira, é com um concerto de Surma que termina o Dia Aberto Universidades na Fundação Calouste Gulbenkian.  Está prometida uma viagem além-fronteiras, que pisca o olho a um cenário tribal (não fosse o nome Surma um elogio ao povo Etíope com o mesmo nome), em espaços da Gulbenkian que são pouco navegados e de acesso restrito.

A entrada no Dia Aberto Universidades é gratuita só tens de trazer o teu cartão de estudante. Para este concerto terás ainda de levantar um bilhete (máximo dois por pessoa), no próprio dia, no secretariado do Edifício Sede, entre as 13h30 e as 19h. A partir das 20h a bilheteira passa a estar na Coleção Moderna.

Descobre o programa completo aqui.

O Gerador está a dar uma mãozinha nesta iniciativa
Fotografia de Hugo Domingues

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal clica aqui.