fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

Todas as semanas o Gerador recomenda-te iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitares. Descobre em baixo as nossas sugestões.

Texto de Gerador

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

SIZA

Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

até 26.08

Álvaro Siza Vieira, figura incontornável da história da arquitetura de Portugal. O seu trabalho é reconhecido internacionalmente, tendo sido vencedor de um Prémio Pritzker e de um Leão de Ouro na Bienal de Veneza. Acumulou ao longo do seu no seu percurso profissional uma série de arquivos e obras referenciais aos seus trabalhos, que são agora reunidas e destacadas no âmbito de uma exposição em sua dedicação.

A Fundação Calouste Gulbenkian acolhe a mostra de material original, desenhos, plantas de trabalho e plantas finais, fotografias e peças de design para que nos possamos sentir emergidos no traço, desenhos e influências do arquiteto.

Adicionando à experiência do universo de Siza, foi criado, em paralelo à exposição, um programa público, que inclui visitas orientadas, oficinas de desenho, uma mesa-redonda (com duas sessões) para Pensar Siza Vieira, e um ciclo composto por três filmes – O Arquiteto e a cidade velha, de Catarina Alves Costa, Vizinhos, de Cândida Pinto, e A Dama de Chandor, de Catarina Mourão – escolhidos pelo próprio.

Na Galeria Principal do Edifício Sede reunem-se plantas, livros, muitos dos seus cadernos A4, assim como objetos de design da sua autoria, acompanhados por  900 fotografias (expostas e projetadas) de projetos de Siza, captadas pelo fotógrafo espanhol Juan Rodriguez.

Na Galeria de Exposições Temporárias do Museu descobrimos uma vertente mais intimista de Siza, com a exposição de retratos  de familiares e amigos, da sua mulher e neto, apontamentos, vistas das suas viagens, aguarelas e desenhos nas mais banais superfícies, como ilustra o caso dos registos artísticos num maço de tabaco.

Festival Província Sonora

Várias localidades do Minho, Beira Interior, Trás os Montes e Porto

até 15.07

A 2ª edição do Festival Província Sonora decorrerá entre 2 de junho e 15 de julho, em várias localidades do Minho, Beira Interior, Trás os Montes e Porto. A música surge como elemento aglutinador entre estes espaços geográficos, como elemento comum à alerta de um despertar de consciência ecológica - “Resultam as singularidades de cada geografia, os seus costumes, as suas comidas, as suas gentes e os seus ofícios.”

Unindo Natureza e Música e seguindo a linha condutora das causas ambientais, o Festival itinerante vê florescer os sons da música erudita, clássica, improvisada fomentando a criação espaço de partilha e de diálogo,

Todos os concertos são de entrada livre. Toda a programação aqui.

MTU´24 - Encontro de Reflexão

Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra

12.06

A Mostra de Teatro Universitário dá palco à reflexão dos estudantes que integram grupos de teatro no âmbito académico. Este Encontro, realizado desde 2012, é fruto da relação madura entre a Academia de Coimbra e  o Teatro. 

A par do momento de partilha e formação, onde é apresentado ao público um conjunto de projetos que ilustram as criações dos estudantes, propõe-se o diálogo critico e histórico, com foco na identificação dos principais problemas e desafios que os grupos de teatro universitário enfrentam.

Dia 12 de junho às 18h30, no Teatro Académico Gil Vicente. A entrada é livre.

Quanto vale a Liberdade?

Centro Cultural de Belém, Lisboa

12 a 30.06

Integrada na programação comemorativa dos 50 anos do 25 de abril, a nova instalação de Luís Santos é apresentada no CCB até ao final do mês de junho. Os projetos que integram esta programação procuram responder a “o que é, como se parece e quanto vale a Liberdade?”.

A instalação assume a conotação de “máquina de revoluções”, uma criação inspirada no mecanismo de um relógio, uma nave que se torna veículo para a expressão da Liberdade. A música original de Leonardo Outeiro é parte integrante desta máquina de revoluções, que pode ser visitada e experimentada a sós, em grupo, ou ainda revelada através dos solos que os atores e as atrizes nos propõem ao longo dos meses.

"Volta para a tua terra"

Centro Cultural Vila Flor, Guimarães

14.06

Keli Freitas, dramaturga brasileira residente em Portugal, dedica-se à criação de trabalhos cujas raízes nascem nas vivências do quotidiano. O seu caminho notável no meio do Teatro, conta com colaborações com diversas companhias e coletivos e soma a criação de 10 peças de teatro.

Surge agora o seu  novo projeto, "Volta para a tua terra", onde integra  questões de pertença e da imigração à luz de uma história de procura pela bisavó portuguesa. 

Dia 14 de junho, no Centro Cultural Vila Flor em Guimarães, o público é convidado a ficar após a peça, para uma conversa com Keli Freitas, com moderação de Mickaël de Oliveira.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

12 Junho 2024

42: Prólogo

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

6 Junho 2024

João Albuquerque: “O consenso que marcou as gerações de crescimento da União Europeia está em risco”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0