Epah que assunto tão delicado, tão sensível e que tanta discussão traz, quantas vezes em pleno bairro alto, na cerveja número 13 o assunto dá uma volta de 180° e vamos parar às teorias da conspiração, as sociedades secretas e aos segredos do mundo.

Podemos começar as conversas a discutir qual o melhor choco frito de Setúbal ou se o pastel de Belém é um pastel de nata ou não, mas no fim vamos sempre lá parar, e há para todos os gostos.

Podemos pegar na teoria de como a terra é plana e ir até aos grupos secretos que muitos dizem ser os responsáveis pelo desaparecimento de milhões de crianças pelo mundo todo, para beber o seu sangue, ou como há anos que seres que vem dos répteis estão camuflados entre os humanos.

Alguns assuntos são interessantes, algumas coisas têm fundamento, mas há limites, e há linhas que para mim quando são passadas acabam por cair no ridículo, e entramos numa espécie de estrada com um só caminho, sem volta.

Eu considero que muitas vezes o conhecimento é uma maldição, o mundo é de facto um sítio podre, feio e com muita gente má, mas para mim e volto a referir para mim, quem não sabe e não conhece isso vive em uma espécie de bolha de proteção (o que não é propriamente mau).

Será que o Mundo seria pior se a verdadeira informação fosse passada a todos? Penso que sim, haveria um maior conhecimento do que é capaz o ser humano e perdia-se alguma da esperança que ainda existe na humanidade.

Teorias em que acredito:

  • Há anos que somos visitados por extraterrestres.
  • A ciência e a capacidade do ser humano vão muito além daquilo que conhecemos e o ser humano tem esse conhecimento.
  • Todo o planeta é gerido por um grupo de pessoas que não quer o nosso mal, mas é assim que tem que gerir o planeta.

Fui soft eu sei, não quero ser muito paranoico, por isso apontei só algumas coisinhas.

Tenho um respeito enorme por aquelas pessoas que acreditam que somos prejudicados através da alimentação, das redes 5G, na água entre outras coisas, e se isolam do mundo e de todos e conseguem viver uma vida a parte de tudo, sem serem dependentes desta sociedade.

E tenho uma pena enorme daquelas pessoas que têm conhecimento seja ele verdadeiro ou não, sobre alguns assuntos e automaticamente se fecham, anulam e vivem a querer alertar tudo e todos, e a vida ganha um novo sentido, passam 24 horas em estado de alerta e tudo é motivo de desconfiança, qualquer ideia contrária ou um pedido de uma argumentação mais forte pode causar desconforto, discussão entre outras coisas más.

São vários os generais que vemos pelas redes sociais, que parecem viver apenas para trazer mais soldados para as batalhas, um caminho perigoso, muito perigoso, tal como eu já devem ter ouvido a teoria que a terra afinal é plana, o que é engraçado, tento visualizar e não consigo, talvez porque há 37 anos imagino o nosso planeta de outra maneira, mas são muitos os documentários pela internet, incluído na Netflix o que merece a nossa atenção e no fim falamos, outra coisa que tenho visto muito é sobre a ida do homem a lua, o que muitos defendem que nunca aconteceu, será que o que vimos e sabemos foi mais um grande filme norte-americano?!

De todas as coisas que se fala, só espero estar presente quando os humanos entrarem ou desvendarem o contacto que tem com outros planetas, outras civilizações e outros seres.

Até lá vamos continuar a abordar estes temas acompanhados por uma mini ou um copo de vinho que fica tudo mais fácil.

-Sobre Nuno Varela-

Nuno Varela, 36 anos, casado, pai de 2 filhos, criou em 2006 a Hip Hop Sou Eu, que é uma das mais antigas e maiores plataformas de divulgação de Hip Hop em Portugal. Da Hip Hop Sou Eu, nasceram projetos como a Liga Knockout, uma das primeiras ligas de batalhas escritas da lusofonia, a We Deep agência de artistas e criação musical e a Associação GURU que está envolvida em vários projetos sociais no desenvolvimento de skills e competências em jovens de zonas carenciadas.Varela é um jovem empreendedor e autodidata, amante da tecnologia e sempre pronto para causas sociais. Destaca sempre 3 ou 4 projetos, mas está envolvido em mais de 10.

Texto de Nuno Varela
Fotografia de Pedro Vaccaro