Maria Teresa de Mello Breyner Andresen foi distinguida, no passado dia 4 de Janeiro, com o Prémio Gonçalo Ribeiro Telles, que, anualmente, homenageia uma personalidade cujo trabalho, desenvolvido no âmbito do ambiente e da paisagem, se tenha destacado.

A arquiteta paisagista e engenheira agrónoma é licenciada pelo Instituto Superior de Agronomia, mestre em arquitetura paisagista pela Universidade de Massachusetts e doutorada em Ciência Aplicadas ao Ambiente pela Universidade de Aveiro. Leccionou no ensino superior durante trinta anos e, actualmente, exerce consultoria enquanto arquitecta paisagista. É membro do Conselho Nacional do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, desde 2013, e do Comité Científico da Fundação Benetton, em Itália, desde 2015. Em 2015 e 2016, pertenceu ao Grupo de Trabalho para a elaboração da Lista Indicativa do Património Mundial Português da Comissão Nacional da UNESCO e perita de Portugal na Comissão Permanente do Património Mundial da mesma, entre 2014 e 2017, ano em que foi eleita Presidente da Direcção da Associação Portuguesa dos Jardins Históricos.

O Prémio Gonçalo Ribeiro Telles para o Ambiente e a Paisagem é uma iniciativa do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, da Causa Real, de cujo Conselho Monárquico, Gonçalo Ribeiro Telles é membro, da Ordem dos Engenheiros e da Associação Portuguesa dos Arquitectos Paisagistas. Sob a forma de troféu em forma de árvore, do escultor Luís Cruz, o Prémio foi entregue no dia 9 de Janeiro, na Fundação Calouste Gulbenkian.

Este texto encontra-se ao abrigo do Acordo Ortográfico de 1945

Texto de Raquel Botelho Rodrigues
Fotografia de Vicent Creton, via Unsplash

Se queres ler mais entrevistas sobre a cultura em Portugal, clica aqui.