A partir das 21h00 do dia 19 de Junho, a peça Terreno Selvagem, uma co-criação de Miguel Castro Caldas, Pedro Gil e Raquel Castro, estará disponível na Sala Online do Teatro Nacional D. Maria II.

Com interpretação dos co-criadores e Joana Bárcia, a peça passa-se numa sala. O cenário coloca-nos diante de uma realidade familiar. Três adultos procuram entrar na primeira infância, um lugar imaginado. Não lhes é possível chegar ao quotidiano da filha. "Não nos lembramos da nossa primeira infância e não nos queremos pôr na pele de uma criança porque não conseguimos pensar como uma criança pensa”. “Somos dois actores a brincar aos pais e às mães e aos filhos. E como é a nossa profissão podemos fazê-lo”, diz Pedro Gil ao Público.

A criança não está. Não podendo sê-la, os pais representam-na. Por isso, afinal, não é senão a mente de adultos, a que um ser humano obedece. Pedro Gil fala de uma relação "escravidão", onde a criança é a escrava e os pais os seus proprietários, os quais gerem a sua vida, as actividades, os lugares e os horários. “Somos das poucas espécies que são totalmente dependentes dos progenitores”. “Isso é bom mas tem o seu perigo – pode ser de mais", partilha o actor com o mesmo jornal. Não se trata de um plano maléfico, mas da "vida normal".

Texto de Raquel Botelho Rodrigues

Fotografia de Filipe Ferreira