fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Tiago Fortuna: “a deficiência é um espaço de combate para quem a habita”

Neste episódio da rubrica Entrevista Central, Tiago Fortuna, ativista e cofundador da Access Lab, reflete sobre a ausência de representatividade e a emancipação de pessoas com deficiência através do envolvimento nos processos de tomada de decisão. “[As pessoas com deficiência] não criam um sentido de comunidade tão rapidamente como numa comunidade religiosa, na comunidade negra ou na comunidade cigana. Não haver esse sentido de comunidade e de emancipação leva a que os outros decidam por nós. E isso é um problema muito grande”, afirma.

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A Access Lab é uma startup portuguesa que pretende garantir o acesso de pessoas com deficiência e surdas à cultura e ao entretenimento enquanto direito fundamental. “Aquilo que nós procuramos fazer é incluir a pessoa na jornada do consumidor do princípio ao fim. Isto começa na comunicação, passa pela bilheteira, pelo transporte e pelo percurso dentro do espaço”, explica. Tiago Fortuna criou uma “startup de impacto” porque acredita que o futuro da economia global passa por robustecer a economia social: “Tudo o que ganhamos, devolvemos à sociedade em impacto social. É esse o nosso objetivo, sempre”. 

“Cada área tem a sua maneira de trabalhar a inclusão. Quando estás a trabalhar, tens mesmo que segmentar para garantir a inclusão das pessoas nos eventos”, expõe. Revela ainda que, nos últimos seis meses, a Access Lab tem trabalhado também a acessibilidade de pessoas neurodivergentes e com deficiência intelectual. Como resultado, sublinha a necessidade de preparar experiências acessíveis para o público ao nível do espaço, mas também ao nível da programação dos eventos: “Trabalhamos nos serviços dentro do espaço, como nos balcões, nas casas de banho e no bengaleiro, mas também na programação através da integração de língua gestual, de audiodescrição, de coletes sensoriais e de sessões descontraídas”. 

Para o ativista, o estudo Acessibilidade na cultura 2023: experiências das pessoas com deficiência e Surda, realizado pelo Obi.Media/ICNOVA a pedido da Access Lab, reforça a urgência de advogar pelo bilhete gratuito para acompanhante da pessoa com deficiência e pela programação acessível: “Tivemos 85% dos inquiridos a dizer que teve problemas no acesso ao objeto cultural. 85% que é muito”. Tiago Fortuna aponta o dedo aos entraves que se colocam ao investimento em acessibilidade: “Há muito entusiasmo, mas depois não se concretiza. Toda a gente tem vontade de trabalhar a acessibilidade. Não há ninguém que não queira trabalhar a acessibilidade, mas quando tu apresentas um orçamento: ui, é dramático”.

“A acessibilidade, a inclusão e a diversidade devem ser remuneradas e têm custos como qualquer outra área. [Em Portugal], não há uma base económica para estas questões”, esclarece. Colocar a acessibilidade à cultura como prioridade “é um caminho muito difícil de ser feito, sobretudo para estruturas que têm problemas estruturais de financiamento”, segundo Tiago Fortuna. Reconhece, no entanto, alguns casos de sucesso, nomeadamente na área do audiovisual: “O streaming já está bastante bem preparado. Se usarmos o Disney+, praticamente todos os títulos têm a audiodescrição do Brasil. A Netflix tem sobretudo em inglês. Enfim, há aqui muitas desigualdades que precisam de ser equilibradas”. 

Veja ou ouça a entrevista na íntegra aqui.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Julho 2024

Tranças de resistência

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

22 Julho 2024

Incertezas e ambiguidades: a nuvem cinzenta dos crimes de incitamento ao ódio

19 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

17 Julho 2024

42: Caixas e cartas

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

16 Julho 2024

Assassinato de carácter: o (pré)juízo de Cláudia Simões

12 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0