De 4 a 14 de novembro, o MOCHILA - Festival de Teatro para Crianças e Jovens traz a vários espaços da cidade de Faro, 11 espetáculos. Para além dos espetáculos, a 1ª. edição quer encher a mochila de formações, debates e conferências.

Em 2010, Faro viu nascer uma nova estrutura de criação artística, o LAMA Teatro. Desde então, o LAMA tem trazido a cena várias criações e iniciativas para toda a família. Desta vez, apresenta-nos a primeira edição de um festival que é para crianças e jovens, dos 3 aos 18 anos, e para os adultos curiosos (claro): o MOCHILA - Festival de Teatro para Crianças e Jovens que se realiza de 4 a 14 de novembro em cinco espaços culturais da cidade de Faro, bem como a diversos locais ao ar livre.

O festival pretende ser um espaço onde, anualmente, se promova o pensamento crítico e a reflexão, através de uma programação para a infância e juventude, desenvolvida lado a lado com o público, e com a comunidade local, numa lógica de descentralização. "Nesta primeira edição, o festival parte do binómio nítido/turvo e propõe às crianças e jovens que encham as suas mochilas com nitidez de movimentos, de palavras, de discernimento, de paixão e de pensamento, assistindo a espetáculos "nitidamente turvos", que incitem o questionamento e o debate", pode ler-se em comunicado.

Parlamento Shakespeare | Fotografia da cortesia da organização

A 1ª edição do MOCHILA arranca no dia 4 de novembro, no Teatro das Figuras, com Romeu & Julieta, uma criação do Teatro Praga, a partir do clássico de Shakespeare, onde Cláudia Jardim e Diogo Bento guiam os espectadores pela história de um amor maldito, misturando-a com a confeção de um cheesecake, em tempo real. Também no mesmo espaço, mas no dia 10 de novembro, será possível assistir a Parlamento Shakespeare, da companhia Bestiário, um espetáculo onde um parlamento, em convulsão, discute acesamente se será que uma mentira inocente também pode magoar. No dia 6 e 7 de novembro, o Museu Municipal de Faro recebe A Grande Viagem do Pequeno Mi, um espetáculo de Madalena Victorino, em cocriação com Ana Raquel e Beatriz Marques Dias, sobre o poder da imaginação, inspirado no livro de Sandro William Junqueira. Já no espaço LAMA Black Box serão apresentados, a 5 de novembro, Escuridão Bonita, da companhia UMCOLETIVO, uma criação de Cátia Terrinca e João P. Nunes, a partir de uma história de Ondjaki e, no dia 14 de novembro, João de Brito e Nuno Preto apresentam Romeu e Romeu (uma peça do LAMA Teatro), um espetáculo que parte de uma ideia de amor deixada por William Shakespeare, para colocar o público num lugar de provocação.

Romeu e Julieta | Fotografia de Bernardo Gramaxo

No cartaz deste primeiro ano de vida, existirão ainda três espetáculos de grupos de teatro juvenil, que integram o ESTOJO - Laboratório Pedagógico do LAMA Teatro, destinado a jovens dos 13 aos 18 anos - um projeto que pretende promover o sentido crítico e o pensamento nos jovens, através da utilização de ferramentas teatrais. Anualmente, e durante um período de 3 a 5 meses, os grupos de teatro juvenil que integram o este projeto trabalham na construção de um espetáculo, a partir de uma premissa comum, lançada por João de Brito. Nesta 1ª edição, os espetáculos serão apresentados no IPDJ e contam com a participação do Grupo de Leitores, com o espetáculo Loop, de Panápaná, com a peça Spin & Shot e ainda do Teatro Improviso de Intervenção, com Memórias de Bambaram.

O Festival vai ainda invadir ainda o centro histórico da cidade, a baixa, a zona ribeirinha e as escolas do município, no dias 4, 5, 11, 12 e 13 de novembro, com a performance Gang das Mochilas, coordenada por João de Brito, Sara Martins e Marta Gorgulho.

Os bilhetes já estão disponíveis na BOL e no Teatro das Figuras e a programação completa por ser consultada, aqui.

Texto de Patrícia Nogueira
Fotografia da cortesia da organização

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.