fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Vitalina Varela ensina-nos que o cinema vai muito além da tela

Locarno, 17 de agosto de 2019 — Pedro Costa recebia o Leopardo de Ouro pelo…

Texto de Carolina Franco

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Locarno, 17 de agosto de 2019 — Pedro Costa recebia o Leopardo de Ouro pelo filme Vitalina Varela e Vitalina, a própria, o Leopardo de Melhor Interpretação Feminina. O filme conta a história de uma mulher cabo-verdiana que vem para Portugal três dias após a morte do seu marido, depois de ter estado 25 anos à espera de um bilhete de avião. Esta é a história de Vitalina Varela, mulher que se interpreta a si mesma e conta a sua história a Pedro Costa, que a regista com a cumplicidade inegável entre os dois. 

O percurso de Pedro Costa é já (re)conhecido em Portugal, tendo-lhe sido dedicada uma retrospetiva em Serralves ainda no ano passado. Sobre Vitalina Varela sabemos o que conta no filme e agora o que revelou em entrevista à organização de Locarno — para si, o amor é a base de tudo. 

Foi na rodagem de Cavalo Dinheiro (2014) que o realizador conheceu Vitalina Varela, chegando a incluir uma parte da sua história na narrativa. Decidiu dedicar-lhe um filme no qual a sua vida passa para a tela, mas que espera ultrapassar os seus limites.

Cavalo Dinheiro estreou no Festival de Cinema de Locarno em 2014

Sobre Vitalina, Pedro Costa disse à Lusa: "Ela faz-nos um pouco mais fortes porque tem convicções e tem fé, e acreditou em nós. Na nossa história ela é a rainha, e contagiosa, capaz de dar a todos nós um pouco de esperança”. “Ela é uma força da natureza, do passado, do presente e também do nosso futuro”.

Já Vitalina, na emotiva entrevista que deu em Locarno, mostra gratidão ao realizador que se tornou seu amigo. 

Vitalina olha para o prémio como um reconhecimento "cheio de amor e carinho"

“Pedro Costa é um homem muito importante para mim. Dá-me muita força, dá-me muita ajuda, dá-me muita coragem”, diz Vitalina nessa mesma entrevista. “Quando passo por momentos difíceis, eu vou chamar o Pedro Costa e ele vai estar lá para mim a qualquer hora”, continua enquanto se emociona.

Pedro Costa já tinha mostrado como o cinema pode ser o espaço para pensar lugares reais muitas vezes calcados em Portugal; fá-lo, desde que começou o seu percurso cinematográfico. Em Ossos (1997) e No Quarto de Vanda (2000) foi até às Fontainhas e à semelhança do que aconteceu com Vitalina, conheceu Vanda Duarte, que acabou por ser a protagonista de No Quarto da Vanda

Vitalina Varela, para quem o presente em Portugal nem sempre parecia risonho, leva tantas outras histórias como a sua para a tela. E a certeza que fica é clara: o cinema pode ir muito além da tela, transbordando dela para quem o faz e quem o recebe.

Texto de Carolina Franco
Fotografia de Festival de Locarno disponível Facebook

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

19 Março 2024

Leonor Chicó: “no nosso quintal já se sentem os efeitos da crise climática” 

16 Março 2024

José Pacheco Pereira atribuiu nota 7 à probabilidade de uma guerra na Europa

12 Março 2024

A Open Food Facts quer empoderar os consumidores através da informação

5 Março 2024

Bolsa Amélia Rey Colaço abre candidaturas para 7ª edição

29 Fevereiro 2024

50 Abris: diferentes retratos da liberdade precisam de apoio para sair em livro

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

Saber mais

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0