A comemoração dos 20 anos do festival Internacional de Teatro de Rua acontecerá durante os meses de maio e setembro de 2021, em Santa Maria da Feira. Assinalando a sua 20ªedição, a comunidade artística local, nacional e internacional irá comemorar junto dos seus públicos em formatos diferentes: maio, num formato digital, e, em setembro, no seu palco habitual.

Durante o mês de maio, o festival decorrerá de 27 a 30 de maio e, posteriormente, em setembro entre os dias 9 e 12. Dedicado ao "Mito e A Marca", o festival explora a inovação e criatividade junto do seu espaço público. Assumindo-se uma referência para as Artes de Rua, em Portugal e na Europa, o Imaginarius, construi-se ao longo destas duas décadas a partir de diferentes comunidades, entidades vivas e participantes do festival.

Emídio Sousa, presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, explica que "não podíamos deixar de realizar o nosso Imaginarius, uma referência inquestionável da criatividade e da cultura de Santa Maria da Feira, dentro e fora de portas. Vamos fazê-lo de forma estratégica, apresentando uma solução que dá trabalho ao Setor da Cultura, tão devastado pela pandemia, proporciona Cultura às pessoas, e não coloca em causa a saúde pública."

Além do digital, o Imaginarius’21 estender-se-á pela Quinta do Castelo e nos auditórios da Biblioteca Municipal e do Cineteatro António Lamoso. O programa da 20ª edição do Festival Internacional de Teatro de Rua será divulgado brevemente, no entanto, sabe-se que a programação apresentará espetáculos da edição passada que não se concretizaram – um compromisso assumido pela Câmara Municipal da Feira junto dos artistas.

Contando com 109 candidaturas, recolhidas nas cinco Chamadas Públicas para o Imaginarius’21, oriundas de Norte a Sul do País e de 20 países da Europa e do Mundo – África do Sul, Alemanha, Argentina, Áustria, Brasil, Croácia, Espanha, França, Grécia, Hungria, Inglaterra, Irão, Irlanda, Israel, Itália, México, Moçambique, Nigéria, Polónia, República Checa –, foram selecionados 11 projetos e atribuídas duas menções honrosas, em diferentes vertentes artísticas, como artes performativas, circo, dança, instalação multidisciplinar, música e teatro.

Cartaz do festival

Com uma imagem gráfica fiel ao tema O Mito e A Marca - verificam-se apontamentos sobre a transição para o digital, abordando ideias de Mito inspiradas na própria programação do festival, como é o exemplo de projetos como
“Orfeo & Majnun”, “Despojos de Babel” e “Laila e Majnum". A Marca, presente e constante nestas 20 edições, remete para o sonho, para a noite, para a imaginação. Este ano, o festival alarga-se, pela primeira vez e num primeiro momento, ao digital, que é representado, de forma simbólica, através da linguagem informática “0 e 1”.

De acordo com o vereador da Cultura da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, o modelo do festival " permite
alimentar a esperança de apresentar as atividades presenciais do festival, adaptadas naturalmente ao novo normal, antes do final do Verão de 2021”.

O Gerador é parceiro do Imaginarius.

Texto de Patrícia Silva
Fotografia retirada do Facebook do festival, registada em 2017

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.