Nos dias 29 e 30 de junho, a cidade do Porto abre as portas de mais de 70 espaços no âmbito da 5ª edição do Open House Porto.

Criado em Londres, a iniciativa Open House tem como objetivo mostrar espaços arquitetónicos da cidade aos estudantes da área e não só de forma gratuita. Quase três décadas depois, a iniciativa estendeu-se mais de quarenta cidades pelo mundo inteiro. Chegou ao norte do país em junho de 2015 e desde então abre portas às arquiteturas e ao debate. A cada edição a cidade desenvolve novos diálogos que por vezes pedem uma repetição dos espaços, torna-o a cada ano uma experiência diferente.

Este ano, a “Vida Interior” é a temática que levará os seus visitantes a descobrir a cidade, “entrar na cidade, penetrar nos seus segredos, saber dos seus interstícios e das pessoas (ou da sua ausência) porque o essencial da arquitetura só se torna visível neste encontro”, explicam os comissários da edição deste ano, Joana Couceiro e Nuno Valentim em comunicado.

Nos 70 lugares escolhidos pelos dois especialistas da arquitetura, poderão ser visitados sítios que fora da iniciativa estão restritos ao público, disponibilizando um percurso em que “a casa (ou a cidade) dá-se a ver do outro lado do umbral. A porta entrearberta é lugar de expectativa e suspensão. Dentro pode estar um espaço quente e familiar ou, pelo contrário, isolado e agreste”.

Produzido pela Casa da Arquitetura e em parceria estratégica com as Câmaras Municipais de Matosinhos, Porto e Vila Nova de Gaia, para além do roteiro original da edição de 2019, é disponibilizado dois programas de ações paralelas que incentivam a outras formas de integração dos espaços, como o Programa Caleidoscópio e Programa Plus.

O Open House propõe três tipos de visitas: livre, sem acompanhamento, dentro do horário estipulado, acompanhada, numa visita orientada pela equipa de voluntários, ou ainda comentada, no qual o autor do projeto de arquitetura ou um especialista convidado fará o comentário detalhado da descoberta ao espaço.

O mapa e o guia encontram-se disponíveis para consulta no site, mas contrariamente a todos os outros espaços, apenas o nº3, 32, 43, 48, 58 e 60 exigem uma pré-marcação para as visitas, que estará disponível a partir do dia 26 às 14h no site.

Texto de Rita Matias dos Santos
Fotografia de Samuel Zeller disponível via Unsplash

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.