A nova criação da artista Alice Joana Gonçalves será apresentada no Centro Cultural da Malaposta. A estreia absoluta acontecerá no dia 7 de maio, na sala Experimental. A décima criação da artista explora a execução de performances em câmara lenta, através de uma profunda pesquisa filosófica da essência humana.

A peça designada como um "ensaio filosófico vivo sobre a vida" que reflete o atual " momento de crise existencial", revela-se como uma introspeção da artista. Alice dedica-se às performances através de uma profunda pesquisa filosófica da essência humana. Será a primeira vez que não interpretará uma criação sua, sendo que, em palco, estarão 3 bailarinas selecionadas por audição: Ana de Oliveira e Silva, Stephanie Cardoso e Victória Bemfica.

Nesta linha de estreia, Alice apresenta uma equipa integralmente feminina que assume a produção artística, "Há uma energia muito própria quando assim é, tudo é muito mais intenso, na preparação, criação, execução ou até na respiração". "A nudez está também presente e surge, naturalmente, de uma questão ligada à prática: da experiência através do meu próprio corpo nu. O espetáculo é a extensão desse exercício", lê-se em comunicado.

Alice Joana Gonçalves, fotografia de Nuno Gervásio

Depois da apresentação em 2019 de Temporary Palace no MAAT, uma colaboração criativa com Daddy G. dos Massive Attack, a artista performativa e visual, venceu por três vezes "Novos Prémios" da Fundação Calouste Gulbenkian. A sua atual conta ainda com uma criação multimédia e desenho sonoro em tempo real durante o espetáculo.

Definida por Daddy G, músico fundador dos Massive Attac, como " uma das pessoas menos convencionais que alguma vez conheci, nunca esperem algo confortável, o seu trabalho na dança é sempre provocador extrapolando fronteiras para lá de qualquer convenção. Felizmente como tentamos fazer com a nossa música enquanto Massive Attack", a jovem artista estará, brevemente, em digressão por todo o país. 

 Apocalipse 2020 estará também em exibição nos Estúdios Victor Cordón em Lisboa, sexta feira dia 7 de maio.

Texto de Patrícia Silva
Fotografia da cortesia da artista

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.