No centro histórico de Nisa, uma vila alentejana do distrito de Portalegre, nasce uma intervenção da Câmara Municipal de Nisa, que pretende levar a tradição artesanal da olaria pedrada de Nisa para as ruas. A Ruinha, como é também conhecida a Rua de Santa Catarina, é o palco da mais recente obra de pavimentação, que une a arte da olaria aos habitantes e visitantes da vila, num padrão característico e inconfundível.

As peças de olaria pedrada de Nisa, artesanato nisense que vai apresentar a candidatura a Património Imaterial da Humanidade, são parte integrante da identidade da região. Na sua composição são utilizadas três espécies de barro: branco, preto e vermelho, sendo este último a cor original da peça. É inspirado nestes tons que vemos nascer o pavimento da Ruinha, com um padrão elaborado por pequenas pedras de tijolo, que imitam a cor vermelha do barro, e de mármore branco, que se assemelha ao quartzo utilizado na decoração das peças.

Calceteiros de Gáfete em trabalhos no pavimento da Ruinha, Nisa

As mãos que trabalham a olaria pedrada de Nisa, na pequena rua do centro da vila, pertencem agora aos calceteiros de Gáfete, os novos artesãos que, com a delicadeza natural de quem exerce a sua arte há várias décadas, transportam a tradição para as ruas e mantém viva uma profissão em vias de desaparecer.

O contributo para a manutenção do artesanato identitário de Nisa é um dos principais objetivos desta ação de reabilitação, que conta avançar com parcerias com artistas da região para a decoração das portas da rua. É um gesto de requalificação e preservação do artesanato tradicional, que expõe e dá a conhecer este património único.

Texto de Ana Mendes
Fotografias da Câmara Municipal de Nisa

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.