fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Opinião de Francisco da Rocha Baldé e Guilherme Alexandre

Carta do Leitor: Assim não cumpriremos abril

A Carta do Leitor de hoje chega-nos pelas mãos de Francisco da Rocha Baldé e Guilherme Alexandre, que nos falam sobre o caminho a seguir.

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Quando em 2007 a RTP1 perguntou ao país quem tinha sido o “maior português de todos os tempos” e se assustou com a resposta, já o comboio de abril descarrilara. Prevalecia a democracia, mas o presságio era claro. Dezassete anos depois, elegem-se para o parlamento cinquenta deputados da direita radical. Nesse mesmo abril, a natureza reage: um mar de corpos inunda a Avenida da Liberdade, em nome desta, em Lisboa. Depois de uma longa manhã de retórica moralista, acusatória e chorona, nesta mesma manifestação, os nossos dirigentes ousaram ainda, reclamar, para si e os seus, as cores e méritos de abril. Nada de novo. Assim é a classe política que nos serve: nem vigilante, nem pragmática, e acomodada nas suas querelas tribalistas. Distante.

Não tencionamos conspirar sobre como aqui se chegou. Queremos, sim, fazer observações inteligentes, de modo irreverente e intencional, sobre onde queremos ir, juntos.

Existindo esta maior preponderância de perspetivas jurídicas e económicas na política, e sendo essas áreas baseadas na persuasão em vez de dados empíricos, é inevitável e até compreensível a dificuldade em encontrar consensos sobre o que fazer da realidade em que vivemos.

É por isso que, em vez de insistirem em narrativas absolutas, os nossos dirigentes deveriam ter maior cultura científica: ter o hábito de recorrer ao tesouro que são os artigos científicos produzidos pelos seus investigadores– reconhecendo, humildemente, o seu potencial – para legislar de modo credível, investir de modo fundamentado e inovar com consciência e visão.

À classe política, que mais disponibilidade e privilégio tem, cabe facilitar e estimular a participação da sociedade civil – fazendo públicos os resultados de grupos de trabalho obscuros, clarificando e encurtando os programas que desenham, divulgando todo e qualquer orçamento, deixando-se de burocracia artefactual e inútil – e a cultivar a sua literacia política, “substituindo a política de café por mais participação na comunidade” – como dizia Ana Gabriela Cabilhas  –, ao encher o seu discurso de “objetos de desejo político”, como completava Rui Tavares. Construamos as políticas do futuro com compromisso mútuo, compreensão e sensatez e não desperdicemos recursos preciosos com acrobacias, teatros e jogos políticos.

Dos cidadãos, é preciso mais que slogans: precisamos que cada um empenhe adequadamente os seus esforços pela democracia.

Alcançar um Portugal mais democrático, assim como uma Europa mais democrática, implica dar mais poder aos cidadãos, que devem estar informados e ser críticos o suficiente para conseguir representar a sua vontade de modo esclarecido.

Isto requer, por um lado, o combate holístico à desinformação e a existência de organismos plurais e rigorosos de comunicação social e, por outro, que cada cidadão reflita e questione as próprias informações e crenças delas resultantes. Para que cada um de nós seja capaz de o fazer, é necessário que sejamos progressivamente mais conhecedores do sistema político, da economia, da cultura, da história e da ciência. Temos imensos cérebros entre nós, mas não estamos a cooperar tanto quanto deveríamos para os aproveitar, apesar do uso cada vez mais inteligente das redes sociais pela sociedade civil. Quando vejo tantos milhares de pessoas na rua a berrar cânticos abrilistas, sinto esperança. Mas a esperança desvanece-se quando percebo que pouco passa dos cânticos.

Se por cada “25 de abril sempre, fascismo nunca mais” gritado, conseguirmos um “fala com alguém de outro partido”, um “participa em consultas públicas em áreas do teu interesse” ou sequer um “vai à tua Assembleia Municipal e fala do que gostavas que melhorasse no teu concelho”, a chama da esperança manter-se-á acesa.

Se por cada 1000 vezes que se ouve “o povo é quem mais ordena” houvesse um referendo, ou as massas apoiassem iniciativas legislativas cidadãs locais, nacionais ou europeias, então talvez fosse realmente o povo a ordenar.

Se quem repete “fascismo nunca mais” pensasse também em métodos concretos para combater o fascismo, mais eficazes que chamar facho a quem pensa de forma diferente, talvez conseguíssemos mesmo pôr essas soluções em prática e proteger a democracia. Não basta polarizar o espectro político português, incentivando quem está ao centro a votar à esquerda, já que os partidos populistas conseguem ir buscar votos à abstenção.

Assim, como estamos, não cumpriremos Abril, pois estagnamos na democratização, além de no desenvolvimento. Precisamos de cultivar uma cultura de diálogo construtivo e paciente que nos permita, perante um problema real ou uma opinião com a qual não concordamos, retirar aprendizagens e pontos de convergência, em vez de nos antagonizarmos e fazermos de tudo uma arma de arremesso político. Só assim seremos capazes de levar a classe política a cumprir o seu papel de modo mais sério, mesmo que não esteja para aí virada.

Se quiseres ver um texto teu publicado no nosso site, basta enviares-nos o teu texto, com um máximo de 4000 caracteres incluindo espaços, para o geral@gerador.eu, juntamente com o nome com que o queres assinar. Sabe mais, aqui.
Texto de Francisco da Rocha Baldé e Guilherme Alexandre

As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Julho 2024

Tranças de resistência

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

22 Julho 2024

Incertezas e ambiguidades: a nuvem cinzenta dos crimes de incitamento ao ódio

19 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

17 Julho 2024

42: Caixas e cartas

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

16 Julho 2024

Assassinato de carácter: o (pré)juízo de Cláudia Simões

12 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0