fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

‘Baile de Verão’: Rui Palma sobrepõe memória e imaginário em nova exposição no Porto

A ideia de “tridimensionalidade” e de “sobreposição de tempos” experimentadas em suportes alternativos. É com…

Texto de Sofia Craveiro

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A ideia de “tridimensionalidade” e de “sobreposição de tempos” experimentadas em suportes alternativos. É com recursos a estas palavras que Rui Palma descreve a essência do seu mais recente trabalho. Baile de Verão é o título da exposição em nome próprio que é inaugurada este sábado, dia 24 de julho, pelas 17 horas, na galeria Senhora Presidenta, no Porto.

A mostra, que estará patente até 19 de agosto, constitui-se de “uma série de fotografias impressas em diversos suportes, a partir do imaginário de uma fotografia de arquivo onde a memória e a ficção se misturam”, segundo informação divulgada pela organização.

O trabalho foi desenvolvido durante os últimos dois meses a partir de um convite da galeria. A base foi uma fotografia familiar, de arquivo, mas Rui Palma diz que, apesar disso, o trabalho não é uma reconfiguração de imagens documentais, mas antes de fotografias inéditas que foram desenvolvidas sobre o conceito. Esse pedaço de memória “foi o ponto de partida para uma série de fotografias que mistura imagens documentais e encenadas numa sobreposição de tempos”, explica ao Gerador.

Fotógrafo e artista visual sediado em Lisboa, Rui Palma centra o seu trabalho no corpo e na multiplicidade das suas representações. No currículo tem a participação em diversas exposições coletivas e individuais em espaços como Galeria Foco, Queer Lisboa -  Festival Internacional de Cinema Queer e Rivoli - Teatro Municipal do Porto. Colabora regularmente com revistas de moda, tendo fotografado para Vogue Portugal, FuckingYoung! e Vice, além de ter sido responsável pelas imagens da campanha Moda Lisboa – Comunidade.

O espaço onde o artista irá apresentar o seu trabalho, a galeria Senhora Presidenta, é um projecto de Dylan Silva (artista), Mariana Malhão (ilustradora) e Luís Cepa (designer gráfico). Assumindo-se como “um espaço híbrido, capaz de albergar simultaneamente produção e exposição de trabalhos no meio artístico” a galeria reúne trabalhos de diferentes tipologias, desde a cerâmica à ilustração, passando pela pintura, fotografia, desenho, vídeo e publicação independente. 

Local: Galeria Senhora Presidenta, Porto
Horário: 14h (inauguração)
Preço: Entrada livre

Texto de Sofia Craveiro
Fotografias de Rui Palma

Se queres ler mais notas de agenda sobre a cultura em Portugal clica aqui.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

7 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

31 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

10 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0