fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Carta do Leitor: Cidades Híbridas: onde podemos libertar as nossas cidades interiores!

A Carta do Leitor de hoje chega-nos pelas mãos de Leonardo Camargo Ferreira, que nos fala sobre a poesia enquanto instrumento unificador entre sociedades e indivíduo(s), e o mundo contemporâneo.

Texto de Leitor

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Na contemporaneidade o mundo enfrenta ondas gigantes de riscos e incertezas. Temos vivido tempos que, com grande profundidade, colocam-nos desafios sobre como enfrentarmos a crise climática ao mesmo tempo que combatemos as múltiplas desigualdades sociais ou a tomada do poder por parte de forças extremistas. As sociedades encontram-se mais dramatizadas, encerradas nos seus problemas internos e, muitas vezes, menos comprometidas com o que acontece lá fora e com diálogos e consensos. Consequentemente, cada um de nós, enquanto agente social e cidadão, desenvolve relações mais deslassadas, onde o empenho, a responsabilidade e a solidariedade dão lugar ao egocentrismo e à menor empatia.

Como forma de contrariar estas tendências mais gerais existem algumas ferramentas que podemos desenvolver. Uma delas, de grande relevância, é a arte. A arte é não só um modo de engajamento com a realidade, mas também uma reflexão, uma crítica e uma transformação da mesma. Com as produções artísticas o ser humano consegue trazer vida aos lugares suspensos e unir corações onde antes se agia com indiferença. 

Neste sentido, venho abordar um estilo específico de arte: a poesia. O poder da palavra permite que nos entendamos e consigamos construir argumentos capazes de defender racionalmente uma dada posição. Mas são os versos que tornam esse racional belo, ritmado, matizado na sua arquitetura, encontrando na rima a cadência dos conjuntos e na sua ausência a potência da individualidade.

Correndo algum risco da autopromoção, mas servindo este texto igualmente enquanto partilha de um resultado poético que me orgulha, gostaria de vos falar do meu terceiro livro de poesia que saiu em fevereiro. Sou já um autor de duas obras deste cariz, todavia, o meu trajeto encaminhou-me para mais um trabalho, o maior deles todos e aquele em que sinto o meu mais íntimo self na qualidade de artista e pessoa. Cidades Híbridas é o título deste livro que promete cruzamentos entre particularidades, regularidades e visões do mundo!

Por que razão escolhi este nome? Ora, ao elaborar uma revisão pelos poemas que selecionei para esta obra identifiquei várias vezes a palavra “cidade” escrita. Ao que parece, aprecio muito a metáfora da urbe para os sentimentos humanos. A verdade é que numa cidade existem paisagens, serviços e poderes que a tornam dinâmica, servindo estes mesmos elementos como separação e, igualmente, como conexão com outras cidades que também possuem tais características. Ora, todos nós podemos também considerar-nos um pequeno espaço urbano, em que as nossas identidades, plurais e diversas, convocam-nos para deambulações tanto nos locais públicos como nos sítios mentais. Tal como as cidades que, isoladas, empobrecem e desaparecem da centralidade dos mapas, o desenvolvimento dos seres humanos seria impossível se estes não fomentassem a comunicação e a partilha entre indivíduos da sua espécie.

Cidades Híbridas vem, precisamente, chamar a atenção para os hibridismos das urbanidades: ao construirmos pontes, estradas e outros caminhos, tais como jardins e recintos recreativos e de lazer, estamos a complexificar e a enriquecer os nossos modos de ser e de estar. E a poesia é o elo entre esta postura mais sociológica do território e as emoções mais internas, que percorrem o amor e a tristeza, passando pela angústia e a amizade e atravessando o medo e a esperança. 

Em suma, libertem as vossas cidades interiores! Este é o livro que vos aconselha a ativarem, em alta e viva voz, as dimensões mais significativas que vos caracterizam enquanto testemunhos e herdeiros da humanidade. Através de cada poema é desejado que incorporem as mensagens que eles transmitem e se tornem vocês mesmos artistas com expressões para (re)criar e revelar.

Agradeço desde já a todos os leitores da obra, que são quem realmente faz da poesia arte com sentimento e sentido.

https://poesiafaclube.com/store/leonardo-camargo-ferreira-cidades-hibridas

Se quiseres ver um texto teu publicado no nosso site, basta enviares-nos o teu texto, com um máximo de 4000 caracteres incluindo espaços, para o geral@gerador.eu, juntamente com o nome com que o queres assinar. Sabe mais, aqui.

Texto de Leonardo Camargo Ferreira

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

12 Junho 2024

42: Prólogo

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

7 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0