A Câmara de Vila Nova de Cerveira vai investir 1,2 milhões de euros para transformar o antigo quartel dos bombeiros no novo espaço da biblioteca, dos serviços municipais de intervenção social e da Segurança Social, foi divulgado no dia 19 de junho.

Em comunicado no mesmo dia enviado às redações, o município do distrito de Viana do Castelo explicou que a execução daquele investimento está prevista para “os meses de setembro ou outubro”.

“Trata-se de uma obra há muito desejada que, por um lado, dá vida a um espaço emblemático e muito bem localizado e, por outro lado, vai solucionar alguns constrangimentos provocados pela urgente deslocalização dos Serviços Municipais de Intervenção Social (SMIS) e dos serviços da Segurança Social que, atualmente, estão instalados em imóveis que, a curto prazo, serão demolidos para executar a segunda fase da requalificação da escola básica e secundária de Vila Nova de Cerveira, onde nascerá um amplo ‘campus’ escolar”, afirmou o presidente da Câmara, Fernando Nogueira, citado naquela nota.

A reabilitação vai ainda permitir, destacou Fernando Nogueira, “construir uma nova e moderna biblioteca municipal, “num espaço mais adequado à realidade atual em termos de acessibilidade, estética e funcionalidade, libertando o histórico imóvel do Solar dos Castros para preparar uma possível candidatura para acolher o museu da Bienal de Cerveira”.

Com o lançamento de concurso “previsto para o mês de julho, a intervenção no antigo quartel dos Bombeiros Voluntários visa uma recuperação generalizada do interior do imóvel localizado à entrada do centro histórico, de modo a definir as novas valências com espaços amplos e áreas generosas que respondam às exigências atuais da prestação de um serviço público de qualidade, ao nível de acessibilidade, de segurança e de comodidade”.

De acordo com o projeto, “o rés-do-chão será totalmente ocupado, mantendo o funcionamento independente ou integrado do cineteatro de Vila Nova de Cerveira e garantindo a polivalência do piso superior para fins culturais, recreativos e de associativismo”.

Com “um prazo de execução de oito meses, a empreitada representa um investimento estimado de 1,2 milhões de euros, com um montante elegível de 740 mil euros e uma comparticipação comunitária de 85% (628 mil euros) do FEDER, através do Programa Operacional Norte 2020”.

Texto de Lusa
Fotografia de Marco Mourão Costa disponível via Wikipédia
Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.