Em Maio deste ano, tivemos a sorte de ouvir 15 pessoas de quem gostamos muito sobre como deveríamos apresentar os resultados do Barómetro Gerador Qmetrics. Eis aqui quem contribuiu:

Ana Leite

Nasceu no Porto em meados dos anos 80. Com particular interesse pelas políticas públicas de cultura, o seu percurso académico, profissional, político e cívico esteve sempre ligado à área cultural. Conheceu o Gerador quando foi programadora cultural na Junta de Freguesia do Lumiar. Atualmente é Técnica Especialista no Ministério da Economia e dinamiza um clube UNESCO dedicado às políticas culturais.

Carla Chambel

Carla Chambel tem 42 anos, é atriz desde 1995 nas várias formas de expressão: teatro, cinema, televisão, locução, dobragens. Dá aulas de teatro e de direção de atores. É vice- presidente da Academia Portuguesa de Cinema e faz parte da direção da GDA. É mãe de dois filhos e é consumidora de cultura.

Filipa Frois Almeida

Nasceu na Alemanha em 1981, arquitecta e fotógrafa. Formada em arquitetura pela Escola Superior Artística do Porto em 2006, realizou Erasmus na Technische Universitãt Berlin em 2004/05. Paralelamente, estudou fotografia no IPF no Porto e na Imago Galerie em Berlim, e expôs os seus trabalhos de fotografia no Porto, Barcelona e em Berlim. Entre 2007 e 2011 viveu e trabalhou em Berlim, onde colaborou com o estúdio de arquitectura J. MAYER H. Em 2012 juntamente com Hugo Reis, funda a FAHR 021.3, um estúdio experimental e criativo que, através da combinação das disciplinas de arte e da arquitetura, procura refletir e ressignificar sobre os espaços que nos envolvem.

Graziela Sousa

Professora, investigadora e doutoranda na FAULisboa. Mestre e Licenciada em Design de Moda pela mesma instituição.
Em paralelo com a carreira académica, é responsável pelos Projectos Especiais da Associação ModaLisboa - Fast Talks, Wonder Room e Check Point - onde desenvolve iniciativas de promoção da inovação e do empreendedorismo na moda nacional, da sustentabilidade, inovação social entre outras temáticas urgentes da indústria de moda.

Hugo Brito

Hugo Brito formou-se numa escola de cozinha em Amsterdão e tem também um curso de artes plásticas. É chef do Boi-Cavalo, em Lisboa, que começou por ser um restaurante de bairro mas que conta agora com um menu de degustação, sem por isso deixar de ser o mais informal possível.

José Anjos

José Anjos (n.1978 Lisboa) é formado em direito e músico. Diz e escreve poemas. Organizou sessões de leituras poéticas em locais como O Povo, Musicbox e o Irreal. Foi um dos fundadores, programador e apresentador dos “Poetas do Povo”, com Alexandre Cortez. Tem-se dedicado a projectos onde se procuram os pontos de contacto entre música e palavra dita. Integrou o projecto “Lisbon Poetry Orchestra” e, presentemente, faz parte do colectivo ‘No Precipício Era O Verbo’ (com Carlos Barretto, André Gago e António de Castro Caeiro) e Janela (com Carlos Bica). Colabora, ainda, como baterista, com a banda “não simão”.

Júlio Resende

É um dos mais internacionais músicos portugueses e conta já com sete álbuns editados, num percurso que se inicia no Jazz, passa pelo Fado e pela Palavra, e chega recentemente ao pop-rock, numa procura contínua do lugar perfeito que nunca existe e que só assim lhe permite explorar mais e mais, conseguindo que essa insatisfação e irreverência permitam a quem o ouve, o contacto com novas descobertas.

Luís Ferreira

Formado em Design Industrial (ESAD.CR, 2006), director do 23 Milhas, projecto que agrega os quatro espaços culturais do município de Ílhavo e restantes eventos culturais. Simultaneamente, é comissário cultural, na Comunidade Interurbana do Médio Tejo, com destaque para o projecto intermunicipal Caminhos. É fundador e director artístico do BONS SONS, que nasce em Cem Soldos, em 2006, com uma programação dedicada à música portuguesa.Em 2018, foi Membro do Grupo de Trabalho de Aperfeiçoamento do Modelo de Apoio às Artes e, em 2019, é Membro do Conselho Consultivo Portugal Expo 2020 Dubai.

Né Barros

Coreógrafa e bailarina, investigadora no Instituto de Filosofia da Universidade do Porto no grupo de Estética, Política e Conhecimento. Tem desenvolvido o seu trabalho artístico em conexão com seus estudos académicos e pesquisas. Iniciou sua formação em dança clássica e, posteriormente, trabalhou em dança contemporânea e composição coreográfica nos Estados Unidos (Smith College). Doutorada em Dança (Universidade de Lisboa) e Master in Dance Studies (Laban Centre, Londres). Concluiu um Pós-Doutoramento no Instituto de Filosofia sobre a estética das performances. Estudou Teatro (Esap). É professora na ESAP e convidada em diversas instituições. Co-fundadora do Balleteatro e diretora artística do Family Film Project - Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Memória, Etnografia.

Pedro Delgado Alves

Docente e investigador da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (desde 2004) na área das Ciências Jurídico-Políticas, onde tem lecionado e realizado investigação em Direito Público (Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito da Cultura, Direito do Ambiente, Direito Internacional Público, Direito da União Europeia). Foi Diretor Adjunto do Centro Jurídico da Presidência do Conselho de Ministros (2007-2009), integrou o Grupo Técnico-Científico da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (2008-2011), é Deputado à Assembleia da República desde 2011 e Presidente da Junta de Freguesia do Lumiar desde 2013.

Pedro Pires

Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade Fernando Pessoa. Começou a carreira em 1996, juntando-se ao Departamento de Estratégia da NOVAPUBLICIDADE / Novodesign. Em 98 assume a Coordenação Estratégica para a criação da marca ONI. Em 2000 é convidado a diretor da / Brandia, e assume a direção criativa para a criação e lançamento da marca YORN - Vodafone. Em 2003, como Creative Associate Director assume a gestão criativa de grandes clientes entre os quais estão Vodafone, Yorn, Sumol, Sata, Delta, Galp, RTP. Em 2006, cria Adore Advertising, e é responsável estratégico para a criação do Grupo Ativism. Em 2008 junta-se à Ivity como Diretor Criativo e de Estratégia ao comando de clientes como a Sonae, a Coca-Cola, Fnac, Galp, Delta, Prio, Galp e EDP. Em 2015 , cria, com Alexandre Farto, a Solid Dogma, uma unidade criativa focada em ativar o poder das marcas e da cultura através da arte.

Raquel Castro

O seu trabalho foca-se na relação entre som, ambiente e urbanismo, tendo vindo a apresentá-lo em diferentes formatos. É investigadora, realizadora e programadora cultural. Fundadora e diretora artística do festival de arte sonora Lisboa Soa e do Simpósio Internacional Invisible Places. Doutorada em Comunicação e Artes pela FCSH-UNL com a tese "Contributos para uma análise da paisagem sonora: som, espaço e identidade acústica". Como realizadora, destaca o seu filme Soundwalkers, que circulou internacionalmente por diversos festivais e conferências sobre som. É Investigadora integrada no Cicant/Universidade Lusófona.

Raul Moreira

Editor de livros e selos, entre os quais, até ao dia de hoje, 113 selos e 21 blocos filatélicos sobre Gastronomia, com uma tiragem global superior a 23 milhões de unidades. E ainda 11 livros bilingues, escritos pelos maiores especialistas nestes assuntos. São mais de 2000 páginas e de 57 000 volumes vendidos. Colabora semanalmente com o site gerador.eu com uma crónica sobre a mesma matéria. Foi Professor Auxiliar Convidado do ISCTE em Métodos Quantitativos de Gestão durante 30 anos, entre 1977 e 2006. Colaborou em Mestrados, Pós Graduações e Programas de Doutoramento no ISCTE e no IST, na área de Processos Amostrais e Design dos Estudos de Mercado. É co-autor do livro “Pesquisa de Mercados”, com a Professora Doutora Elizabeth Reis. Atualmente é Administrador Executivo da Fundação Portuguesa das Comunicações e Diretor de 1a linha dos CTT Correios de Portugal

Selma Uamusse

Selma Uamusse é uma cantora moçambicana que vive em Portugal desde 1988. Canta profissionalmente desde os seus 18 anos, com um caminho que percorre o gospel, rock, soul, afrobeat e jazz. Decidiu desafiar-se e gravar o seu primeiro álbum de originais sozinha, entre Portugal e Moçambique.
Explora as suas raízes moçambicanas, destaca os ritmos desconhecidos e as letras em línguas nativas, junto com instrumentos tradicionais como a timbira e a mibra, mesclado com alguma música psicadélica, electrónica e outras influências musicais que traz consigo.
O seu primeiro concerto a solo, no Festival Músicas do Mundo, em Sines, resultou numa performance cheia de energia, dance e emoção, que conquistou, simultaneamente, a crítica e o público.

Tomaz Hipólito

Nasceu em Lisboa em 1969, onde vive. Estudou arquitectura. No seu trabalho aborda as questões do espaço, a sua ocupação e transformação. Mapeia o gesto de forma a criar um novo território, designado de intervalo, que se situa entre a subjectividade e a experiência. Usa vários meios como a fotografia, vídeo, performance, pintura e desenho para melhor revelar o conceito de cada trabalho. Todo o processo se torna parte do trabalho. Como os gestos, todos os trabalhos são obras únicas.

Dia 5 de julho vai a gerador.eu e faz download gratuito do relatório que revela o que os portugueses pensam da cultura.