Six Portraits of Pain, de Teresa Villaverde, é o único filme português em competição no Festival de curtas-metragens de Oberhausen, na Alemanha.

A 66ª edição de um dos mais antigos e conceituados festivais de curtas-mestragens no mundo está a decorrer desde o dia 13 de maio e termina a 18 de maio. Desta vez em versão online, o festival transmite o filme de Teresa Villaverde hoje e amanhã.

Em estreia na Alemanha, este filme nasceu da sinfonia por António Pinho Vargas a partir de seis ensaios poéticos de Gilles Deleuze, Espinoza, Thomas Bernhard, Manuel Gusmão, Paul Celan e Anna Akhmátova. Este é um documentário experimental metragem produzido por Maria João Mayer (Maria & Mayer) e distribuído internacionalmente pela Portugal Film.

“A música não precisa das imagens do cinema, nunca. Música e cinema podem trabalhar em conjunto, de raiz, não será o caso aqui. Mesmo de olhos fisicamente abertos a música cega-nos, levando-nos para outros lugares que não pertencem nem ao mundo das imagens, nem das palavras. O trabalho que vou apresentar tem essa consciência, essa humildade, mas tem de saber ultrapassar essas dificuldades. É um trabalho quase de transe, uma apresentação de imagens cegas, vindas de um lugar de mistério”, afirma em comunicada Teresa Villaverde.

Six Portraits of Pain foi já apresentado no Centro Cultural de Belém, em 2019, acompanhado pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, bem como nos festivais Doclisboa, Caminhos do Cinema Português. A sua estreia internacional decorreu no festival de Turim, em Itália.

O programa completo do Festival Internacional de curtas-metragens de Oberhausen pode ser consultado aqui.

Texto de Bárbara Dixe Ramos
Fotografia disponível no website do Festival Internacional de curtas-metragens de Oberhausen

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.