A terceira Drawing Room Lisboa decorre entre 14 e 18 de outubro na Sociedade Nacional de Belas Artes, posicionando-se como a única feira de arte portuguesa, até agora, a decorrer num espaço físico. Ao todo serão 55 artistas e 20 galerias de arte, com Natxo Checa, diretor e co-fundador da Galeria Zé dos Bois, a comissária um conjunto de artistas sem galeria. 

Ainda que a feira na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa, decorra apenas durante 4 dias, a edição online prolonga-se até 30 de outubro. Entre os artistas representados estão Paula Rega, Helena Almeida, Paulo Brighenti, Pedro Barateiro, Joana Pimentel e Rui Horta, e galerias como Filomena Soares, Galeria 11, Bruno Múrias, Kubik Gallery e 3+1 Arte Contemporânea. 

Desta vez, o foco internacional dirige-se a Itália, ao “fenómeno italiano das cidades alla misura del uomo”, através do olhar do comissário Antonio De Falco, de Bolonha. Serão apresentadas três galerias de Modena, Fano e Ravenna, e ainda o número 4 da Revista Papeleo, dedicada ao “Panorama Italiano”. À semelhança da Papeleo, outras publicações serão lançadas no já habitual espaço editorial. 

O programa de colecionadores ao vivo estará, este ano, centrado em colecionadores portugueses e espanhóis, com marcações de visitas e encontros com artistas ao longo da feira. De acordo com o comunicado de imprensa, haverá ainda “momentos live exclusivos para o programa de colecionadores internacionais de outros países e mercados”. 

A terceira edição da Drawing Room decorrerá conforme as diretrizes da Direção Geral de Saúde. Os bilhetes têm um custo de 5€, e de 3€ para menores de 18 anos, sócios da Sociedade Nacional de Belas Artes e maiores de 65 anos. Podes saber mais sobre a terceira edição desta feira de arte dedicada ao desenho, aqui

Texto de Carolina Franco
Cartaz de Drawing Room Lisboa

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.