fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Antiga Escola de Alfeiria convertida em residência artística

Requalificada no âmbito do projeto RAMA – Residências Artísticas Maceira Alfeiria, a antiga escola primária,…

Texto de Flavia Brito

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Requalificada no âmbito do projeto RAMA - Residências Artísticas Maceira Alfeiria, a antiga escola primária, desativada em 2006, tem agora capacidade para acolher, em simultâneo, três a quatro artistas.

Destinada a artistas, investigadores e curadores nacionais e internacionais, a RAMA pretende desenvolver-se como centro de investigação avançada no campo das artes e do cruzamento com as ciências e a educação, procurando ideias para a sustentabilidade, a ecologia e o equilíbrio entre sistemas.

Com dois quartos individuais e um quarto de casal, o edifício possui ainda instalações sanitárias, uma sala de convívio, uma biblioteca de arte e uma cozinha.

A ideia de criar um espaço de residências artísticas em Alfeiria partiu de Paulo Brighenti, da RAMA, que possuía um atelier, numa sua propriedade, nessa mesma aldeia. Para esse projeto, propôs transformar uma adega, adjacente ao local, num estúdio de trabalho amplo para ser usado pelos artistas. Mas faltava espaço para o alojamento dos mesmos, “de modo a criar uma residência artística que proporcionasse um ambiente imersivo para os artistas e investigadores trabalharem concentrados nas suas pesquisas e ao mesmo tempo estarem próximos da comunidade”, partilha com o Gerador.

A proposta foi então feita à Câmara Municipal de Torres Vedras, que, em conjunto com a Junta de Freguesia da União das Freguesias de Carvoeira e Carmões, auscultou a comunidade sobre a ideia de converter a antiga escola num alojamento e espaço de encontros. Já a resposta "foi muito generosa e positiva".

Inauguração da RAMA - Residências Artísticas Maceira Alfeiria

Para Paulo Brighenti, a escola representa um encontro feliz entre vontades: "entre a vontade de trazer criadores para valorizar o território e a vontade da comunidade que vê a escola da sua aldeia ganhar uma nova vida, mantendo-se associada ao conhecimento e às aprendizagens."

Como conta, esta é também uma instituição com uma história especial. Construída em 1981, “nasceu da força empreendedora de um grupo de mulheres que no início dos anos 80 moveu mundos e fundos para construir a escola na aldeia, indo contra preconceitos. Diziam que aquela não era uma tarefa para mulheres.”

Outrora hostilizadas, estas foram as primeiras pessoas a visitar a RAMA. “Deu-nos imensa satisfação abrir-lhes as portas, ver os seus sorrisos e ouvir as suas histórias. A escola continua a ser da comunidade”, acrescenta.

O espaço foi inaugurado no passado dia 1 de setembro.

Texto por Flávia Brito
Fotografias disponíveis no Facebook da Câmara Municipal de Torres Vedras

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0