Cerca de 350 documentos do espólio de Fernando Pessoa, incluindo poesia, prosa, apontamentos, astrologia ou correspondência, na posse da família até então, foram adquiridos pela Biblioteca Nacional de Portugal e serão futuramente disponibilizados via online.

Inserido num período de 40 anos, os documentos presentes espólio remanescente do poeta português foram comprados pela biblioteca, em dezembro de 2020, por proposta dos herdeiros de Fernando Pessoa, de acordo com a Lusa.

Este conjunto apresenta datas entre 1894 e outubro de 1935, em que as línguas predominantes nos manuscritos de Fernando Pessoa são a portuguesa e a inglesa.

Incluindo poesia, prosa, astrologia, planos ou projetos, apontamentos e notas, escritos por Fernando Pessoa, bem como traduções feitas pelo poeta, de textos de Almada Negreiros, de Carlos Lobo de Oliveira e um fragmento de William Shakespeare, o espólio apresenta também correspondência trocada entre Fernando Pessoa e os presencistas João Gaspar Simões (25 enviadas por Pessoa e 30 cartas enviadas por Gaspar Simões a Pessoa), José Régio (sete missivas enviadas por Pessoa e duas recebidas) e Adolfo Casais Monteiro (uma carta deste para Pessoa). A correspondência inclui também, entre outros, um bilhete de Vitorino Nemésio ou dos irmãos do poeta, Henriqueta, João e Luís Nogueira Rosa, bem como cartas de Joaquim Seabra Pessoa a Madalena Nogueira Pessoa (pais de Fernando Pessoa), que a mãe guardou para que o filho as lesse mais tarde.

A Biblioteca Nacional tem ainda documentos colecionados por Fernando Pessoa, como é o caso de ilustrações em bilhetes-postais de paisagens de Durban (na África do Sul), uma fotografia de Sidónio Pais ou recortes de impressos; poemas da mãe e documentos biográficos de Pessoa – por exemplo, certificados de aproveitamento escolar ou o requerimento ao Governo Civil de Lisboa a propósito da apreensão das “Canções” de António Botto.

Esta aquisição “irá permitir um acréscimo à informação do espólio de Jorge de Sena, mas também ao de Luís Amaro já que este integra documentação produzida no âmbito das funções que exerceu na Portugália Editora, incluindo cerca de duas centenas de missivas trocadas com Jorge e Mécia de Sena”, afirmam os representantes da Biblioteca, à Lusa.

Todos estes documentos, “por natureza frágeis” serão objeto de restauro, se necessário, e após “passarem pela câmara de expurgo são registados no catálogo da Biblioteca Nacional”, passando a integrar o Arquivo de Cultura Portuguesa Contemporânea, área que reúne os espólios de autores a partir do século XIX. Desta forma, serão “digitalizados e ficam disponíveis para leitura presencial, em suporte digital, tal como o restante espólio”, estando prevista “a sua disponibilização ‘online’ a médio prazo”, acrescentou a mesma fonte.

Texto de Patrícia Silva e Lusa
Fotografia de ENRIC VIVES-RUBIO

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.