O concurso para o Apoio de Emergência aos Artistas e à Cultura foi, hoje, aberto. Este destina-se a “apoiar os profissionais de cultura afetados pelas medidas resultantes da pandemia de COVID 19, que se viram privados de rendimento em virtude da suspensão da sua atividade”, como se lê no comunicado.

Contudo, o mesmo comunicado explicita que os agentes culturais a candidatar-se devem estar “ligados às áreas onde a Fundação habitualmente intervém – Artes Visuais, Dança, Música e Teatro”. Este apoio tem em conta não só os artistas “portugueses ou residentes que trabalham em território nacional e que sejam trabalhadores independentes há pelo menos seis meses”, mas também os “técnicos e demais profissionais especializados, incluindo os mais jovens que exercem atividade há menos tempo”, cujo trabalho para o qual foram contratados foi cancelado. Este apoio tem como limite máximo 2 500 euros.

As “organizações privadas de produção artística sem fins lucrativos, que tenham comprovadamente visto a sua atividade suspensa pelo cancelamento de concertos, espetáculos ou exposições, como resultado das medidas impostas pela resposta à pandemia”, também estão abrangidas.

As estruturas de produção artística podem receber apoio no que diz respeito aos “encargos de pessoal e a custos gerais previstos, de forma a assegurar a manutenção dos postos de trabalho e as condições para um rápido retomar das atividades”. Este apoio tem como limite máximo 20.000 euros.

As candidaturas serão selecionadas pelo Conselho de Administração da Fundação Gulbenkian por proposta de um Júri constituído para o efeito.

O prazo para submissão de candidaturas decorre entre 30 de Março e as 12h de 6 de abril. Os documentos necessários, o Regulamento e o Formulário de candidatura, estão disponíveis aqui.

Esta iniciativa enquadra-se no Fundo de Emergência criado pela Fundação, no valor de 5 milhões de euros, para responder à crise que o contexto de pandemia também está a provocar na Cultura.

Se quiseres saber mais sobre outros apoios, clica aqui.

Texto de Raquel Botelho Rodrigues

Cartaz da Fundação Calouste Gulbenkian


Se queres ler mais entrevistas sobre a cultura em Portugal, clica aqui.