fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Feminismo: uma palavra gasta? A Fumaça vem ao Trampolim Gerador para nos pôr a pensar

A Fumaça, um projeto de jornalismo independente, vem ao Trampolim Gerador já no próximo dia…

Texto de Gerador

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A Fumaça, um projeto de jornalismo independente, vem ao Trampolim Gerador já no próximo dia 12 de outubro às 18h30, para nos pôr a falar de coisas que importam numa oficina de carros.

A palavra “feminismo” aparece pela primeira vez nos dicionários na segunda metade do século XIX, quando uma série de movimentos liderados por mulheres exigiam o direito ao voto. As sufragistas tiveram sucesso em vários países, mas o voto universal, em Portugal, independentemente do género, só chegaria mais tarde, depois do 25 de abril de 1974.

Por esta altura, os movimentos feministas estavam bem vivos: na resistência ao Estado Novo, na luta pela libertação nacional das ex-colónias ou nas campanhas pelo aborto legal. Pelo contrário, a palavra feminismo foi várias vezes dada como “gasta”. Num texto publicado em 1981, Maria de Lourdes Pintasilgo, a primeira e única primeira-ministra mulher de Portugal escreve: “Convenhamos que ‘feminismo’ é uma palavra velha (faz pensar nas sufragistas da “Belle Époque”!), sem força dinâmica (quantos ‘ismos’ percorreram séc. XX?). Também não gosto da palavra. Só a uso por ter comodidade de análise”.

Quando assistimos ao que várias investigações definem como “nova vaga do feminismo”, o que a difere das anteriores? E o que têm em comum? “Feminismo” é uma palavra gasta?

A conversa, moderada pela Fumaça, tem como convidadas Manuela Tavares, investigadora do Centro Interdisciplinar dos Estudos de Género do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa e membro da direção da UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta e, ainda, Alexa Santos, assistente social há mais de 10 anos, mestre em estudos de género, sexualidade e teoria queer pela Universidade de Leeds. É também diretora do departamento de Género e Feminismos do INMUNE - Instituto da Mulher Negra em Portugal.

O Trampolim Gerador, uma organização conjunta do Gerador e da Junta de Freguesia do Lumiar, leva mais de 50 momentos culturais gratuitos, desde concertos, teatro, dança, exposições ou mesmo gastronomia, ao Lumiar, em Lisboa, já no próximo dia 12 de outubro.
O programa, que começa pelas 16h, invade espaços inusitados como uma oficina automóvel, um centro comercial dos anos 80, palacetes históricos ou mesmo a Alameda das Linhas de Torres, que vai ter uma zona fechada ao trânsito nesse dia.
Descobre a agenda completa aqui.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0