De 15 a 21 de julho, terá lugar a segunda edição do Festival Internacional de Cinema e Literatura de Olhão (FICLO), que se realiza este ano em espaços abertos, depois do adiamento forçado devido à pandemia de covid-19.

O festival, previsto para decorrer em março, vai manter o essencial da programação de filmes e atividades paralelas, mas “com ajustes de exibição”, seguindo as recomendações das autoridades de saúde. “Tirando partido das excelentes condições climatéricas da região, o evento volta com mais atividades ao ar livre, com lugares marcados e sentados”, lê-se na nota enviada pela organização.

O pátio da República 14, associação cultural sediada em Olhão, será o ponto central das exibições da competição internacional de filmes, que este ano terá a concurso nove filmes de produção recente, seis dos quais em estreia nacional.

Aos filmes a concurso vai juntar-se um ciclo de cinema italiano, “que percorre a cinematografia que, desde o pós-guerra, leva a narrativa contemporânea ao cinema através de uma proposta visual cinematográfica específica”.

O ciclo integra clássicos de Rossellini, Visconti, Antonioni e Pasolini, “propondo uma lista de filmes que se valem da estrutura narrativa e da temática da viagem para a exploração da identidade, outro dos grandes assunto da literatura contemporânea”, prossegue a nota.

Está também prevista uma retrospetiva da obra do realizador espanhol Albert Serra, “que incluirá todas as obras com ligação à literatura”, incluindo a mais recente, "Libertè", estreada no primeiro trimestre deste ano.

O festival, que tem por base a relação entre cinema e literatura e como tema a “viagem”, vai premiar com 2.000 euros o melhor dos nove filmes em competição.

Texto de Lusa e Ricardo Ramos Gonçalves
Fotografia via Unsplash

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.