Nascido no concelho de Castelo Branco, InterrogAção é um novo projeto de intervenção social que, através de iniciativas artísticas, pretende promover a inserção social de pessoas vulneráveis, bem como a participação ativa da comunidade nas ações desenvolvidas, dinamizando o interior do país, através da sua história e artistas locais. Até dia 11 de janeiro, há uma open call aberta para artistas albicastrenses.

“A resposta a problemas sociais implica a análise e compreensão das necessidades humanas. Termos assistido ao aumento da exclusão social no interior de Portugal levou-nos a questionar sobre que medidas poderíamos adotar, de forma a reduzir esses mesmos impactos e, se possível, a alterar o rumo do nosso concelho”, afirma, na apresentação desta iniciativa, o coletivo por detrás da mesma.

“Com uma programação cultural rica e diversificada, assiste-se, paralelamente, a uma queda do associativismo cultural em Castelo Branco, nomeadamente através de grupos de teatro, clubes e ranchos folclóricos que outrora existiram”, pode ler-se.

Promover debates e tertúlias, sessões de esclarecimento, workshops e oficinas criativas, formações com pais e professores, atividades de combate ao isolamento dos idosos ou recolha de bens diversos para entrega a pessoas carenciadas são algumas das atividades que este projeto pretende levar a cabo para reforçar as dinâmicas artísticas e sociais no seio da população. “As criações artísticas possuem o estigma popular de serem elitistas e demasiado obscuras para uma grande parte do público, o que leva a que muitos se mantenham afastados deste universo”, explica o coletivo, assumindo a missão de “desmistificar esta ideia, tornando os valores, subjacentes à arte, transparentes ao público”.

O coletivo InterrogAção é composto por um grupo multidisciplinar, com fortes ligações ao concelho albicastrense e constituído por Mariana Duarte, licenciada em Interpretação, na ESMAE; Vasco Fazendeiro, licenciado em Música e a terminar o mestrado em Ensino de Música, na ESART; Marta Vicente, licenciada em Ciência Política e Relações Internacionais, pela Nova FCSH; José Silva, mestre em Música pelo Koninklijk Conservatorium – Den Haag e a terminar o mestrado em Ensino de Música; e, por fim, Rita Dias, que frequenta a licenciatura em Filosofia, na Nova FCSH.

“Na raiz da nossa intervenção, estão os artistas, está a cultura e o trabalho para e com a comunidade. Talvez, neste ano pandémico, seja ainda mais importante trabalharmos a uma só voz, não deixar morrer quem ainda nos dá boas razões para estarmos vivos, aliando tudo isto à necessidade de lutar contra o despovoamento e esquecimento do interior do país”, escreveram, ao Gerador, sobre esta iniciativa dirigida especialmente ao concelho de Castelo Branco, mas que se alarga também ao distrito.

Open call para artistas de Castelo Branco

Como primeira iniciativa, a InterrogAção lançou, no passado dia 11 de dezembro, uma open call para artistas do distrito, que se estenderá até dia 11 de janeiro.

Sem restrição de idade nem área artística, esta open call está aberta para todos aqueles que sejam naturais, residentes ou ativos em Castelo Branco. Para participar, basta preencher o formulário aqui.

“Com esta iniciativa, pretendemos, não só, elaborar um registo e contextualização do trabalho cultural e artístico desenvolvido no distrito, como também divulgar esse mesmo trabalho nas nossas redes sociais e newsletter, a partir de janeiro de 2021″, conta o coletivo. “Poderá, ainda, surgir a oportunidade de os artistas integrarem a sua linguagem nas atividades culturais albicastrenses, com destaque para o nosso plano de intervenção.”

Texto por Flávia Brito
Fotografia de Steve Johns via Pexels

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.
Interrogação